sicnot

Perfil

Mundo

Morreu o sociólogo Zygmunt Bauman, pensador da "modernidade líquida"

© Eloy Alonso / Reuters

O sociólogo polaco Zygmunt Bauman morreu esta segunda-feira aos 91 anos, na cidade inglesa de Leeds, sendo definido como um dos nomes-chave "para se entender o século XX" e criador do conceito da "modernidade líquida".

O autor de "A sociedade sitiada" morreu "na sua casa de Leeds, junto à família", anunciou a socióloga polaca Aleksandra Kania, antiga colaboradora de Bauman.

Zygmunt Bauman trabalhava como sociólogo e era professor emérito na Universidade de Leeds, no Reino Unido, onde deu aulas durante mais de 30 anos, construindo uma obra caracterizada por uma visão crítica da sociedade pós-moderna e globalizada.

Bauman nasceu em Poznan, na Polónia, em 19 de novembro de 1925, no seio de uma família judia.

Em 1939, com o início da II Guerra Mundial, mudou-se para a antiga União Soviética, em fuga às forças nazis de Hitler.

Depois de se alistar no exército polaco, que se aliou à frente russa, acabou por regressar ao seu país, no final do conflito, lecionando Filosofia e Sociologia na Universidade de Varsóvia.

Filiou-se no Partido Comunista aos 19 anos, ao qual se manteve ligado até 1967.

Com o afastamento da linha dominante de Moscovo, foi alvo de perseguição política durante 15 anos, expulso da universidade e proibido de publicar.

Em 1968, Bauman e a mulher, Janina, perderam o trabalho na Polónia e partiram para o exílio, em Israel, onde o filósofo passou a lecionar na Universidade de Telavive.

Seguiu-se o ensino em universidades dos Estados Unidos e Canadá, antes de se fixar no Reino Unido, em 1971, acabando por entrar no corpo docente da Universidade de Leeds.

Ao longo da carreira de escritor, que iniciou nos anos de 1950, desenvolveu os parâmetros de uma sociología crítica, abordando temas como as classes sociales, o socialismo, o Holocausto, a hermenêutica, a modernidade e a pós-modernidade, o consumismo e a globalização.

Reconhecido por uma abordagem que incorporou a filosofia e outras disciplinas, Zygmunt Bauman foi uma forte voz para os pobres, num mundo revoltado pela globalização, como destacam as agências internacionais de notícias.

As suas obras estão publicadas em Portugal pela Relógio d'Água, nomeadamente "Confiança e medo na cidade", "Cegueira moral", "Estado de crise" (com Carlo Bordoni), "A vida fragmentada", assim como "A sociedade sitiada", pelo Instituto Piaget.

Entre os seus livros destacam-se ainda "A modernidade líquida" (2004), "Amor líquido: acerca da fragilidade dos vínculos humanos" (2005), "Europa, uma aventura inacabada" (2006), "Ética pós-moderna" (2006), "Tempos líquidos" (2007), "Vida de consumo" (2007) e "Liberdade" (2008).

No seu último livro, "Viver com o tempo emprestado", que publicou em 2009, analisou o estado atual e os desafios que enfrenta o mundo globalizado, em que tudo - a natureza, o ser humano - se converteu em mercadoria.

A crise dos refugiados, a perda de direitos e a construção de muros nas fronteiras, em vez de pontes, dominam o último ensaio de Bauman, publicado no final de 2016, "Estranhos batendo à porta", no qual analisa o impacto das atuais vagas migratórias.

Bauman culpa os políticos que se aproveitam do medos dos "deserdados e dos pobres" e assegura que a política de construção de muros está destinada a fracassar a longo prazo.

Entre outras distinções, Bauman foi galardoado com o prémio Amalfi de Sociologia e Ciências Sociais (1992), o prémio Theodor W. Adorno (1998) e venceu ainda o prémio Príncipe das Astúrias de Comunicação em 2010.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.