sicnot

Perfil

Mundo

Discurso de despedida de Obama acontece hoje em Chicago

Mindaugas Kulbis

O ainda Presidente norte-americano, Barack Obama, vai fazer esta terça-feira o seu discurso de despedida em Chicago, a sua cidade de sempre onde celebrou há oito anos, com uma multidão em delírio, a eleição para a Casa Branca.

Será uma das últimas oportunidades de Obama para defender publicamente o seu legado político, antes da cerimónia de tomada de posse do Presidente eleito, Donald Trump, agendada para 20 de janeiro em Washington.

"Na terça-feira dia 10 de janeiro, vou a casa a Chicago para despedir-me e expressar a minha gratidão", referiu Obama quando anunciou, a 2 de janeiro, a realização do discurso.

Na mesma altura, o ainda chefe de Estado norte-americano recordou que a tradição do discurso de despedida remonta ao primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington.

Também adiantou que o momento irá servir para rever os últimos oito anos de governação, mas também para olhar para o futuro.

Segundo Obama, o primeiro Presidente afro-americano na história dos Estados Unidos, o discurso será "uma oportunidade para agradecer" ao povo americano por uma "extraordinária aventura".

"Para celebrar a forma como mudaram este país para melhor ao longo dos últimos oito anos e partilhar alguns pensamentos sobre o nosso futuro", reforçou na mesma altura.

Obama (democrata), de 55 anos, irá passar o testemunho presidencial a 20 de janeiro ao magnata do imobiliário e vencedor das eleições do passado dia 08 de novembro Donald Trump (republicano), de 70 anos.

Dias antes do anúncio do discurso de despedida, Obama expressou a sua gratidão para com o povo americano numa mensagem na rede social Twitter: "Foi o privilégio da minha vida ser vosso Presidente. Estarei convosco como cidadão".

O discurso de despedida de Obama será feito no centro de conferências McCormick Place, o mesmo local onde falou após a sua reeleição em 2012.

Obama foi senador pelo Estado do Illinois (Chicago é a maior cidade daquele estado) entre janeiro de 2005 e novembro de 2008.

Lusa