sicnot

Perfil

Mundo

Homem acusado de matar nove pessoas em igreja dos EUA condenado à morte

© POOL New / Reuters

O norte-americano Dylann Roof, acusado de ter morto em junho de 2015 nove pessoas numa igreja em Charleston, Carolina do Sul, foi esta terça-feira condenado à pena de morte por um júri federal.

Dylann Roof, de 22 anos, não mostrou arrependimento e na sua declaração final assegurou que continuava a "sentir que o tinha de fazer".

O júri esteve reunido durante três horas antes de anunciar a sentença, terminando o julgamento de Dylann Roof, que nunca mostrou qualquer remorso.

Dylann Roof, que não quis ser representado por advogados e que fez a sua própria defesa, insistiu sempre que não tinha problemas mentais, nunca pediu perdão e também não explicou o crime.

O cidadão norte-americano Dylann Roof, de 22 anos, um jovem branco que professa o ódio aos negros, foi acusado de nove homicídios e três tentativas de homicídio por ter aberto fogo, a 17 de junho de 2015, sobre paroquianos que participavam numa aula de estudo bíblico na Igreja Metodista Episcopal Emanuel de Charleston, na Carolina do Sul.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.