sicnot

Perfil

Mundo

Monge sul-coreano morreu depois de se imolar pelo fogo

Um monge budista sul-coreano morreu dias depois de se imolar pelo fogo em protesto contra o acordo com o Japão sobre as antigas escravas sexuais, segundo informou esta terça-feira um hospital de Seul.

O monge de 64 anos ateou fogo a si próprio no sábado durante protestos contra a destituição da Presidente Park Geun-hye.

No seu caderno, encontrado no local, criticava o acordo de 2015 de Park para resolver o impasse sobre as mulheres coreanas que foram forçadas a ser escravas sexuais das tropas japonesas durante a II Guerra Mundial, em troca de um pedido de desculpa do primeiro-ministro do Japão e uma promessa de doação de milhões de dólares.

O homem foi declarado morto na segunda-feira à noite por falha múltipla de órgãos causada pelas suas queimaduras, de acordo com o Hospital Universitário Nacional de Seul.

As disputas em torno das escravas sexuais são um legado da ocupação japonesa da península coreana entre 1910 e 1945.

O acordo de Park com o Japão gerou críticas por ter sido anunciado sem a aprovação das sobreviventes. Ao abrigo deste acordo, que os dois países descreveram como "final e irreversível" na altura da assinatura, o Japão prometeu financiar uma fundação sedeada em Seul focada no apoio às vítimas.

A Coreia do Sul, por seu lado, disse que se iria abster de criticar o Japão sobre o assunto e tentar ultrapassar a mágoa para com o Japão com uma estátua de bronze, representando as escravas sexuais do tempo da guerra, colocada em frente à embaixada japonesa em Seul.

O futuro do acordo foi posto em causa no início deste mês depois de o Japão ter dito que iria chamar o seu embaixador para a Coreia do Sul e suspender negociações económicas em resposta à colocação de outra estátua na segunda cidade sul-coreana, Busan.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Seul disse que a decisão foi "lamentável".

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44