sicnot

Perfil

Mundo

Monge sul-coreano morreu depois de se imolar pelo fogo

Um monge budista sul-coreano morreu dias depois de se imolar pelo fogo em protesto contra o acordo com o Japão sobre as antigas escravas sexuais, segundo informou esta terça-feira um hospital de Seul.

O monge de 64 anos ateou fogo a si próprio no sábado durante protestos contra a destituição da Presidente Park Geun-hye.

No seu caderno, encontrado no local, criticava o acordo de 2015 de Park para resolver o impasse sobre as mulheres coreanas que foram forçadas a ser escravas sexuais das tropas japonesas durante a II Guerra Mundial, em troca de um pedido de desculpa do primeiro-ministro do Japão e uma promessa de doação de milhões de dólares.

O homem foi declarado morto na segunda-feira à noite por falha múltipla de órgãos causada pelas suas queimaduras, de acordo com o Hospital Universitário Nacional de Seul.

As disputas em torno das escravas sexuais são um legado da ocupação japonesa da península coreana entre 1910 e 1945.

O acordo de Park com o Japão gerou críticas por ter sido anunciado sem a aprovação das sobreviventes. Ao abrigo deste acordo, que os dois países descreveram como "final e irreversível" na altura da assinatura, o Japão prometeu financiar uma fundação sedeada em Seul focada no apoio às vítimas.

A Coreia do Sul, por seu lado, disse que se iria abster de criticar o Japão sobre o assunto e tentar ultrapassar a mágoa para com o Japão com uma estátua de bronze, representando as escravas sexuais do tempo da guerra, colocada em frente à embaixada japonesa em Seul.

O futuro do acordo foi posto em causa no início deste mês depois de o Japão ter dito que iria chamar o seu embaixador para a Coreia do Sul e suspender negociações económicas em resposta à colocação de outra estátua na segunda cidade sul-coreana, Busan.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Seul disse que a decisão foi "lamentável".

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.