sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump assegura que nunca foi chantageado pela Rússia

© Mike Segar / Reuters

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, assegurou hoje que a Rússia nunca tentou chantageá-lo com informação comprometedora, numa reação às notícias de que Moscovo possui informações embaraçosas sobre a sua vida pessoal e profissional.

"A Rússia nunca tentou influenciar-me. NÃO TENHO NADA A VER COM A RÚSSIA: NEM NEGÓCIOS, NEM EMPRÉSTIMOS, NADA!", escreveu Trump na rede social Twitter sobre as alegações veiculadas pela CNN e outros 'media'.

"As agências de informações nunca deviam ter permitido que estas notícias falsas fossem filtradas para o público. Mais um tiro contra mim. Vivemos na Alemanha nazi?", acrescentou naquela rede social, horas antes de dar a primeira conferência de imprensa desde que foi eleito.

A CNN, o Washington Post e o New York Times, entre outros, publicaram na terça-feira notícias citando um relatório dos serviços de informações dos EUA segundo o qual a Rússia tem informação comprometedora suficiente para "chantagear" Donald Trump.

Segundo aqueles meios, o relatório foi entregue na semana passada ao Presidente cessante, Barack Obama, e ao Presidente eleito, Donald Trump.

A Rússia negou hoje as alegações, qualificadas pelo porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, de "absolutamente falsas".

"É uma falsidade absoluta, fabricada" por quem tem interesse em "prejudicar as relações bilaterais" russo-norte-americanas.

Segundo os meios norte-americanos, a informação na posse da Rússia inclui um vídeo sobre uma suposta "perversão sexual" de Trump, filmado com prostitutas num hotel da capital russa, e sobre lucrativos negócios imobiliários oferecidos por Moscovo ao Presidente eleito.

Trump já tinha reagido num primeiro momento, pouco após a divulgação das notícias, escrevendo no Twitter que está a ser alvo de uma "caça às bruxas política".

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14