sicnot

Perfil

Mundo

"Negar alterações climáticas é trair as gerações futuras"

© John Gress / Reuters

Barack Obama alertou hoje para o perigo de negar a existência das alterações climáticas, sublinhou a importância da influência do país no mundo e lembrou que os Estados Unidos não sofreram nenhum atentado do exterior em oito anos.


No seu último discurso enquanto Presidente dos Estados Unidos, Obama afirmou que negar que o aquecimento global existe significa trair as próximas gerações. "Podemos e devemos discutir sobre a melhor abordagem para resolver o problema. Mas simplesmente negar o problema, não é apenas trair as gerações futuras, mas trair o espírito essencial deste país, o espírito essencial de inovação e capacidade de resolver problemas que guiou os nossos fundadores", disse esta noite em Chicago.

Olhando para o panorama internacional, Obama apelou a que os Estados Unidos se mantenham "vigilantes, mas não assustados", defendendo que as duas outras potências mundiais que lutam pela hegemonia global, a Rússia e a China, não a conseguirão, a não ser que o país mude drasticamente.

"Rivais como a Rússia ou a China não podem superar a nossa influência no mundo, a não ser que renunciemos ao que defendemos e nos convertamos noutro país grande que abusa dos seus vizinhos mais pequenos, disse, perante uma audiência de cerca de 20 mil pessoas.

Obama lembrou ainda que nenhuma organização terrorista estrangeira conseguiu realizar um atentado no país durante os seus oito anos na Casa Branca e assegurou que o grupo extremista Estado Islâmico "será destruído".

"Apesar de [os atentados de] Boston, Orlando ou San Bernardino nos lembrarem de quão perigosa pode ser a radicalização, os nossos agentes estão mais atentos e são mais eficientes que nunca", sublinhou.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48