sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 178 civis morreram em duas semanas de tréguas na Síria

© Bassam Khabieh / Reuters

Pelo menos 178 civis foram mortos na Síria desde o início, há duas semanas, de uma trégua promovida pela Rússia, aliada do regime sírio, e pela Turquia, indicou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

A organização não-governamental com sede no Reino Unido indicou que desde 30 de dezembro, data em que deveriam ter parado as hostilidades, registaram-se baixas civis tanto nas zonas nas quais a trégua estava em vigor como nas restantes.
O cessar-fogo não está em vigor nas áreas nas quais está ativo o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) e a Frente da Conquista do Levante - antiga filial síria da Al Qaeda-, já que ambos foram excluídos do pacto.
O Observatório precisou que pelo menos 78 civis, incluindo 22 menores e 11 mulheres, foram mortos em locais onde a trégua está em vigor.
Do total de vítimas, 36 pessoas morreram devido a fogo da artilharia governamental contra zonas em poder dos grupos rebeldes; 25 morreram em bombardeamentos; 13 perderam a vida devido a tiros de 'snipers' leais do presidente Bashar al Assad e quatro devido à queda de projéteis rebeldes na localidade xiita de Fua.
Por outro lado, pelo menos 99 civis, entre eles 22 menores e sete mulheres, morreram em ataques nas áreas nas quais não está em vigor o cessar-fogo.
Entre essas vítimas, 28 morreram devido a bombardeamentos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos em áreas sob controlo do EI nas províncias de Al Raqa e Deir al Zur.
Outros 26 foram mortos devido a fogo da artilharia turca na região de Alepo.
Por outro lado, 16 civis morreram em bombardeamentos de aviões desconhecidos contra posições do EI em Alepo, e outros três em ataques da força aérea turca contra Arima, controlada por um grupo vinculado às Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança liderada pelas milícias curdas.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.