sicnot

Perfil

Mundo

Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

Penitenciária de Alcaçuz, Natal.

Ney Douglas

Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

Segundo informações da Secretaria de Justiça e Cidadania deste estado brasileiro, a rebelião no Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato já foi controlada e não houve fugas, presos mortos ou feridos. De acordo com as autoridades locais, os presos tentaram derrubar uma parede para fugir, mas foram contidos pelos guardas. Os reclusos também tentaram entrar numa área de isolamento da prisão, onde ficam os presos mais perigosos, mas não conseguiram acesso.

No último fim de semana, uma rebelião em outro presídio do Rio Grande do Norte deixou 26 presos mortos. Este primeiro motim, que durou cerca de 14 horas, começou com uma briga entre presos de dois pavilhões, sendo que num deles estavam os relacionados com as fações criminosas que atuam no país.

Os distúrbios em Rio Grande do Norte representam um novo capítulo na crise no setor prisional, que assistiu a confrontos nas prisões dos estados do Amazonas e Roraima.Desde o início do ano, mais de 100 reclusos morreram nas prisões brasileiras.

Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11