sicnot

Perfil

Mundo

Medalha idêntica à de Anne Frank encontrada em campo nazi

Um grupo de investigadores encontrou uma medalha praticamente igual à de Anne Frank, nas escavações ao campo nazi de extermínio Sobibor, na Polónia. Os especialistas do Memorial do Holocausto Yad Vashem em Israel acreditam que a medalha pertencia a Karoline Cohn, que pode ter conhecido Anne Frank.

IAA

Anne Frank foi uma adolescente de origem judia morta pelos nazis, durante o Holocausto, o genocídio de judeus na 2.ª Guerra Mundial. A rapariga ficou conhecida após a publicação do seu diário, onde revelou os horrores que passou durante aquele período.

Michael Conroy

Assim como Anne, Karoline nasceu em Frankfurt, em 1929. A equipa do Yad Vashem conseguiu descobrir a sua identidade através da data de nascimento inscrita na medalha. Os historiadores afirmam que até ao momento só encontraram duas medalhas deste género.

A pequena medalha triangular tem gravado num dos lados a expressão "Mazal Tov" (boa sorte ou parabéns) escrita em hebraico, a data de nascimento de Karoline e o nome da sua terra natal, Frankfurt.

IAA

No outro lado, está gravada a letra hebraica "Hay", frequentemente usada para representar o nome de Deus, e três Estrelas de David, símbolo associado ao judaísmo. O grupo de investigadores está a agora a tentar descobrir, através de familiares vivos, se as adolescentes se teriam conhecido.

O Yad Vashem e a Autoridade de Antiguidades de Israel estão a trabalhar em conjunto nas escavações ao campo nazi de Sobibor. A medalha foi encontrada no sítio que se acredita ter sido o local onde as vítimas se despiam e onde cortavam o seu cabelo, para depois serem enviadas para as câmaras de gás.

IAA

Até ao momento, foram encontrados um cordão com a Estrela de David e um relógio feminino, que provavelmente caíram através das tábuas, permanecendo enterrados desde então.

Karoline nasceu em Frankfurt, a 3 de julho de 1929. A rapariga foi deportada da cidade a 11 de novembro de 1941 para o gueto de Minsk. O gueto foi encerrado em setembro de 1943 e Karoline terá feito parte dos dois mil moradores enviados para Sobibor, onde a medalha ficou enterrada nos últimos 70 anos.

Os registos mostram que Anne Frank possuía uma medalha praticamente igual, a única diferença seria a data de nascimento.

"A medalha demonstra mais uma vez a importância da pesquisa arqueológica em antigos campos nazi de extermínio", disse o arqueólogo responsável pelas escavações, Yoram Haimi, à BBC. "A emocionante história de Karoline Cohn é um símbolo do destino dos judeus assassinados nos campos de extermínio. É importante contar essa história, de modo a que nunca nos esqueçamos dela."

Campo de Sobibor, Polónia

Campo de Sobibor, Polónia

-

Mais de 250 mil judeus terão sido mortos em Sobibor, no leste da Polónia. Apesar de alguns locais funcionarem também como campos de trabalho forçado, Sobibor foi construído com apenas um objetio: o extermínio de judeus.

Os militares nazis destruíram o campo em 1943, numa altura em que tentavam esconder os seus crimes. Desde então, câmaras de gás e plataformas de comboios já foram descobertas por arqueólogos.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.