sicnot

Perfil

Mundo

Medalha idêntica à de Anne Frank encontrada em campo nazi

Um grupo de investigadores encontrou uma medalha praticamente igual à de Anne Frank, nas escavações ao campo nazi de extermínio Sobibor, na Polónia. Os especialistas do Memorial do Holocausto Yad Vashem em Israel acreditam que a medalha pertencia a Karoline Cohn, que pode ter conhecido Anne Frank.

IAA

Anne Frank foi uma adolescente de origem judia morta pelos nazis, durante o Holocausto, o genocídio de judeus na 2.ª Guerra Mundial. A rapariga ficou conhecida após a publicação do seu diário, onde revelou os horrores que passou durante aquele período.

Michael Conroy

Assim como Anne, Karoline nasceu em Frankfurt, em 1929. A equipa do Yad Vashem conseguiu descobrir a sua identidade através da data de nascimento inscrita na medalha. Os historiadores afirmam que até ao momento só encontraram duas medalhas deste género.

A pequena medalha triangular tem gravado num dos lados a expressão "Mazal Tov" (boa sorte ou parabéns) escrita em hebraico, a data de nascimento de Karoline e o nome da sua terra natal, Frankfurt.

IAA

No outro lado, está gravada a letra hebraica "Hay", frequentemente usada para representar o nome de Deus, e três Estrelas de David, símbolo associado ao judaísmo. O grupo de investigadores está a agora a tentar descobrir, através de familiares vivos, se as adolescentes se teriam conhecido.

O Yad Vashem e a Autoridade de Antiguidades de Israel estão a trabalhar em conjunto nas escavações ao campo nazi de Sobibor. A medalha foi encontrada no sítio que se acredita ter sido o local onde as vítimas se despiam e onde cortavam o seu cabelo, para depois serem enviadas para as câmaras de gás.

IAA

Até ao momento, foram encontrados um cordão com a Estrela de David e um relógio feminino, que provavelmente caíram através das tábuas, permanecendo enterrados desde então.

Karoline nasceu em Frankfurt, a 3 de julho de 1929. A rapariga foi deportada da cidade a 11 de novembro de 1941 para o gueto de Minsk. O gueto foi encerrado em setembro de 1943 e Karoline terá feito parte dos dois mil moradores enviados para Sobibor, onde a medalha ficou enterrada nos últimos 70 anos.

Os registos mostram que Anne Frank possuía uma medalha praticamente igual, a única diferença seria a data de nascimento.

"A medalha demonstra mais uma vez a importância da pesquisa arqueológica em antigos campos nazi de extermínio", disse o arqueólogo responsável pelas escavações, Yoram Haimi, à BBC. "A emocionante história de Karoline Cohn é um símbolo do destino dos judeus assassinados nos campos de extermínio. É importante contar essa história, de modo a que nunca nos esqueçamos dela."

Campo de Sobibor, Polónia

Campo de Sobibor, Polónia

-

Mais de 250 mil judeus terão sido mortos em Sobibor, no leste da Polónia. Apesar de alguns locais funcionarem também como campos de trabalho forçado, Sobibor foi construído com apenas um objetio: o extermínio de judeus.

Os militares nazis destruíram o campo em 1943, numa altura em que tentavam esconder os seus crimes. Desde então, câmaras de gás e plataformas de comboios já foram descobertas por arqueólogos.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.