sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento turco inicia segunda ronda de votações para dar mais poder a Erdogan

© Murad Sezer / Reuters

O parlamento turco iniciou esta quarta-feira uma segunda ronda de votações sobre um polémico pacote de emendas constitucionais que darão ao presidente Recep Tayyip Erdogan novos poderes executivos.

Os legisladores vão votar separadamente 18 emendas propostas, antes de uma votação final global sobre o pacote legislativo no seu conjunto, agendada para o final da semana. O debate em torno das propostas de alteração legislativa - que na prática convertem o sistema democrático parlamentar, em vigor na Turquia, num sistema presidencialista - tem sido tenso, com fortes discussões entre os deputados da oposição e do partido que apoia o governo.

Fundado por Erdogan, o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP, no poder), salienta que é necessária uma Presidência forte para dar músculo à Turquia, uma vez que o país está confrontado com múltiplas ameaças terroristas.Os críticos argumentam que as alterações vão concentrar demasiados poderes nas mãos de Erdogan, bem como anular o sistema de controlo ('checks and balances') quanto à sua governação.

Erdogan, cujos críticos acusam de ter uma tendência autoritária, há muito que defende e tem lutado por um sistema presidencialista. O Presidente turco afirma que um chefe de Estado forte poderia impulsionar a Turquia rumo ao seu objetivo de se tornar uma potência mundial até 2023, ano que marca o centenário da República Turca.

A mudança para um sistema presidencial, com a abolição do gabinete do primeiro-ministro, vai evitar possíveis lutas pelo poder deste com o Presidente. Tanto o presidente como o primeiro-ministro turcos são hoje em dia eleitos por voto popular. Erdogan tornou-se no primeiro presidente a ser eleito por voto popular em 2014.Caso a reforma reúna pelo menos 330 votos (entre os 550 lugares da assembleia turca), então terá ainda de ser submetido a um referendo.O pacote de alterações conseguiu apoio suficiente na primeira ronda de votações, na semana passada. A reforma tem o apoio do Partido do Movimento Nacionalista, na oposição.

Já o principal partido da oposição, o Partido Popular Republicano, opõe-se às medidas, considerando que - quando estiverem em vigor - "Erdogan será a única pessoa a gozar da liberdade".

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.