sicnot

Perfil

Mundo

Trump anuncia que vai pedir uma investigação à alegada fraude eleitoral

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou hoje que vai pedir uma investigação sobre a alegada fraude eleitoral, na votação de novembro. O anúncio de Trump entra em contradição com o que foi divulgado pelo porta-voz da Casa Branca que, ainda ontem, afirmou que o Presidente não pretendia investigar a suposta fraude eleitoral.

"Vou pedir uma grande investigação sobre fraude eleitoral, incluindo os eleitores registrados para votar em dois estados, aqueles que são ilegais e... mesmo aqueles que estavam registados que morreram (e muitos já há algum tempo). Dependendo dos resultados, vamos reforçar os procedimentos de votação!", informou o Presidente, num post no Twitter.

Trump considerou que as investigações se concentrarão em dois estados e em votos ilegais, apesar de numerosos estudos mostrarem que a fraude eleitoral é rara nos Estados Unidos.


O Presidente dos EUA afirmou recentemente aos líderes do Congresso norte-americano que está convicto de que até cinco milhões de pessoas terão votado ilegalmente nas eleições presidenciais e gerais de 08 de novembro de 2016.


"Nas suas palavras, entre três e cinco milhões de pessoas poderão ter votado de forma ilegal, um dado que tem por base estudos a que tivemos acesso", declarou na terça-feira o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, durante a habitual conferência de imprensa diária da Presidência dos Estados Unidos.


Até à data, não foi apresentada publicamente qualquer prova que sustente as suspeitas de fraude eleitoral.
Se estas alegações forem confirmadas, tal cenário irá constituir um dos maiores escândalos políticos na história do país.


O porta-voz da Casa Branca ressalvou, no entanto, que Donald Trump tem confiança nos resultados das eleições. O magnata do imobiliário perdeu o voto popular contra a sua adversária democrata Hillary Clinton, que conseguiu mais 2,9 milhões de votos populares.


Mas foi Donald Trump que garantiu a vitória que interessava: a maioria dos 'grandes eleitores' no Colégio Eleitoral (processo que escolhe diretamente o Presidente), 304 contra os 227 da democrata.
Nas mesmas declarações, Sean Spicer indicou que, segundo "estudos e provas" que "pessoas" apresentaram a Trump, 14% dos eleitores "não eram cidadãos norte-americanos".


No passado, Donald Trump já tinha citado um estudo do centro de pesquisa norte-americano Pew Center on the States de 2012 segundo o qual mais de "1,8 milhões de pessoas mortas figuravam nos cadernos eleitorais".


Este relatório não fornecia qualquer elemento que permitisse pensar que outras pessoas pudessem ter votado em nome destes eleitores falecidos.


Trump também chegou a citar um relatório da Old Dominion University que sugeria que um grupo de cidadãos não americanos (cerca de 14%) afirmava estar registado nos cadernos eleitorais. A fiabilidade deste estudo foi fortemente questionada.

Com Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.