sicnot

Perfil

Mundo

Apoiante de Trump agride muçulmana no aeroporto JFK

© Eduardo Munoz / Reuters

Um homem atacou na quarta-feira uma mulher muçulmana, funcionária no aeroporto John F. Kennedy, em Nova Iorque. Segundo as autoridades, o indivíduo terá pontapeado a mulher enquanto gritava obscenidades e dizia que "o Trump vai livrar-se de todos vocês". O ataque terá sido motivado pelo "hijab" que a mulher usava.

A mulher, que é funcionária da companhia aérea Delta, estava sentada no seu escritório quando alegadamente Robin Rhodes, de 57 anos, pontapeou a porta, bloqueou a sua passagem e a pontapeou numa das pernas.

O ataque começou depois de Rhodes se aperceber que a mulher era muçulmana.

Quando outra pessoa interveio e ajudou a mulher a libertar-se, o agressor seguiu-a e ajoelhou-se numa imitação de um muçulmano a rezar.

Durante o ataque, Rhodes foi ouvido a gritar coisas como "O Trump agora está aqui. Ele vai livrar-se de todos vós. Podem perguntar à Alemanha, Bélgica e França sobre este tipo de pessoas e o que lhes acontece".

O indivíduo foi detido e é agora acusado de assédio moral e crime de ódio. A pena pode chegar até aos quatro anos de prisão.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.