sicnot

Perfil

Mundo

Apoiante de Trump agride muçulmana no aeroporto JFK

© Eduardo Munoz / Reuters

Um homem atacou na quarta-feira uma mulher muçulmana, funcionária no aeroporto John F. Kennedy, em Nova Iorque. Segundo as autoridades, o indivíduo terá pontapeado a mulher enquanto gritava obscenidades e dizia que "o Trump vai livrar-se de todos vocês". O ataque terá sido motivado pelo "hijab" que a mulher usava.

A mulher, que é funcionária da companhia aérea Delta, estava sentada no seu escritório quando alegadamente Robin Rhodes, de 57 anos, pontapeou a porta, bloqueou a sua passagem e a pontapeou numa das pernas.

O ataque começou depois de Rhodes se aperceber que a mulher era muçulmana.

Quando outra pessoa interveio e ajudou a mulher a libertar-se, o agressor seguiu-a e ajoelhou-se numa imitação de um muçulmano a rezar.

Durante o ataque, Rhodes foi ouvido a gritar coisas como "O Trump agora está aqui. Ele vai livrar-se de todos vós. Podem perguntar à Alemanha, Bélgica e França sobre este tipo de pessoas e o que lhes acontece".

O indivíduo foi detido e é agora acusado de assédio moral e crime de ódio. A pena pode chegar até aos quatro anos de prisão.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.