sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro japonês reúne-se com Trump a 10 de fevereiro em Washington

© Nguyen Huy Kham / Reuters

O primeiro-ministro japonês, Shinzō Abe, vai reunir-se com o Presidente norte-americano, Donald Trump, em Washington a 10 de fevereiro, informou este sábado a agência de notícias Kyodo, depois de os dois líderes falarem ao telefone.

A Casa Branca confirmou o encontro num comunicado, adiantando que o secretário da Defesa, James Mattis, de deslocará "em breve" ao Japão, aliado de longa data dos Estados Unidos.

O comunicado informa ainda que na conversa telefónica Donald Trump reafirmou o compromisso "inabalável" dos Estados Unidos em garantir a "segurança do Japão".

Trump tinha suscitado preocupações a Tóquio ao evocar uma possível retirada dos soldados norte-americanos do sul da península coreana e do Japão na ausência de um aumento significativo da contribuição financeira dos dois países.

Por outro lado, há alguns dias o Presidente norte-americano anunciou formalmente a retirada dos Estados Unidos do Tratado Transpacífico de Comércio Livre, acordo envolvendo 12 países que representam 40% da economia mundial e que Abe apoiou com entusiasmo.

Apresentado como um contrapeso à influência da China, o tratado foi assinado em 2015, mas ainda não entrou em vigor.

A participação dos EUA é vista como muito importante para o acordo e Abe disse que vai continuar a tentar convencer Trump dos seus méritos.

Shinzō Abe foi o primeiro dirigente estrangeiro a encontrar-se com o Presidente norte-americano eleito, nove dias depois da vitória de Donald Trump.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.