sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 mortos em combates na costa oeste do Iémen

YAHYA ARHAB

Mais de 100 pessoas foram mortas em 24 horas no Iémen em raides aéreos e em combates pelo controlo de zonas costeiras no mar Vermelho opondo as forças pró-governamentais e os rebeldes, indicaram este domingo fontes militares e médicas.

Os rebeldes xiitas Houthis e os seus aliados perderam 90 homens, declararam as mesmas fontes, acrescentando que os combates na região de Mokha (sudoeste) custaram a vida a, pelo menos, 19 soldados pró-governamentais.

O hospital militar de Hodeida recebeu, durante as últimas 24 horas, "os corpos de mais de 90 rebeldes e numerosos feridos", declarou à AFP uma fonte médica, acrescentando que a infraestrutura está saturada e "a reenviar as vítimas para outros hospitais".

Num outro raide, no centro do país, atribuído aos EUA, pelo menos 41 presumíveis membros da Al-Qaeda, oito mulheres e oito crianças morreram, segundo um balanço obtido pela AFP junto de um responsável iemenita.

O exército norte-americano anunciou que um soldado dos EUA morreu e três outros ficaram feridos num ataque, assim como 14 combatentes do grupo "jihadista" morreram na mesma ação.

Esta operação é a primeira desde a chegada ao poder do Presidente norte-americano, Donald Trump, e ocorreu este domingo de manhã em Yakla, na província de Baida, indicou o mesmo responsável, revendo em alta um balanço anterior de 40 mortos.

Os 'drones' e helicópteros Apache, com metralhadoras pesadas, tiveram como alvo esconderijos da Al-Qaeda numa escola, uma mesquita e uma clínica.

Fontes tribais e locais tinham indicado também que o raide ainda visou as casas de três chefes tribais ligados à Al-Qaeda, que foram mortos.

A guerra no Iémen opõe as forças governamentais, apoiadas por uma coligação militar dominada pela Arábia Saudita, a rebeldes, suportados pelo Irão, que controlam vastos territórios, entre os quais a capital, Sana.

A 7 de janeiro, as forças leais ao Presidente, Abd Rabbo Mansour Hadi, apoiadas por uma coligação árabe sob comando saudita, lançaram uma grande ofensiva com a ajuda da aviação e da marinha, para retomar várias áreas costeiras ao longo do mar vermelho, incluindo a cidade de Mokha, aos rebeldes Houthi e aos seus aliados, apoiantes do ex-presidente Ali Abdullah Saleh.

Um total de cerca de 370 rebeldes e combatentes leais foi morto desde 7 de janeiro.

Depois de terem retomado o porto de Mokha, estas forças recuperaram na sexta-feira a sede da polícia da cidade e várias ruas circundantes com 27 mortos de ambos os lados, de acordo com um oficial militar.

As forças pró-governamentais já retomaram o distrito Dhubab, a norte do estreito estratégico de Bab Al Mandeb, que liga o Mar Vermelho e o Oceano Índico.Mais de 7.400 pessoas foram mortas no conflito no Iémen desde março de 2015, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).U

m coordenador humanitário da ONU, Jamie McGoldrick, apresentou um relatório no qual dá um balanço superior de vítimas mortais, estimando que foram mortos 10.000 civis.

Com Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59