sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 mortos em combates na costa oeste do Iémen

YAHYA ARHAB

Mais de 100 pessoas foram mortas em 24 horas no Iémen em raides aéreos e em combates pelo controlo de zonas costeiras no mar Vermelho opondo as forças pró-governamentais e os rebeldes, indicaram este domingo fontes militares e médicas.

Os rebeldes xiitas Houthis e os seus aliados perderam 90 homens, declararam as mesmas fontes, acrescentando que os combates na região de Mokha (sudoeste) custaram a vida a, pelo menos, 19 soldados pró-governamentais.

O hospital militar de Hodeida recebeu, durante as últimas 24 horas, "os corpos de mais de 90 rebeldes e numerosos feridos", declarou à AFP uma fonte médica, acrescentando que a infraestrutura está saturada e "a reenviar as vítimas para outros hospitais".

Num outro raide, no centro do país, atribuído aos EUA, pelo menos 41 presumíveis membros da Al-Qaeda, oito mulheres e oito crianças morreram, segundo um balanço obtido pela AFP junto de um responsável iemenita.

O exército norte-americano anunciou que um soldado dos EUA morreu e três outros ficaram feridos num ataque, assim como 14 combatentes do grupo "jihadista" morreram na mesma ação.

Esta operação é a primeira desde a chegada ao poder do Presidente norte-americano, Donald Trump, e ocorreu este domingo de manhã em Yakla, na província de Baida, indicou o mesmo responsável, revendo em alta um balanço anterior de 40 mortos.

Os 'drones' e helicópteros Apache, com metralhadoras pesadas, tiveram como alvo esconderijos da Al-Qaeda numa escola, uma mesquita e uma clínica.

Fontes tribais e locais tinham indicado também que o raide ainda visou as casas de três chefes tribais ligados à Al-Qaeda, que foram mortos.

A guerra no Iémen opõe as forças governamentais, apoiadas por uma coligação militar dominada pela Arábia Saudita, a rebeldes, suportados pelo Irão, que controlam vastos territórios, entre os quais a capital, Sana.

A 7 de janeiro, as forças leais ao Presidente, Abd Rabbo Mansour Hadi, apoiadas por uma coligação árabe sob comando saudita, lançaram uma grande ofensiva com a ajuda da aviação e da marinha, para retomar várias áreas costeiras ao longo do mar vermelho, incluindo a cidade de Mokha, aos rebeldes Houthi e aos seus aliados, apoiantes do ex-presidente Ali Abdullah Saleh.

Um total de cerca de 370 rebeldes e combatentes leais foi morto desde 7 de janeiro.

Depois de terem retomado o porto de Mokha, estas forças recuperaram na sexta-feira a sede da polícia da cidade e várias ruas circundantes com 27 mortos de ambos os lados, de acordo com um oficial militar.

As forças pró-governamentais já retomaram o distrito Dhubab, a norte do estreito estratégico de Bab Al Mandeb, que liga o Mar Vermelho e o Oceano Índico.Mais de 7.400 pessoas foram mortas no conflito no Iémen desde março de 2015, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).U

m coordenador humanitário da ONU, Jamie McGoldrick, apresentou um relatório no qual dá um balanço superior de vítimas mortais, estimando que foram mortos 10.000 civis.

Com Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.