sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 mortos em combates na costa oeste do Iémen

YAHYA ARHAB

Mais de 100 pessoas foram mortas em 24 horas no Iémen em raides aéreos e em combates pelo controlo de zonas costeiras no mar Vermelho opondo as forças pró-governamentais e os rebeldes, indicaram este domingo fontes militares e médicas.

Os rebeldes xiitas Houthis e os seus aliados perderam 90 homens, declararam as mesmas fontes, acrescentando que os combates na região de Mokha (sudoeste) custaram a vida a, pelo menos, 19 soldados pró-governamentais.

O hospital militar de Hodeida recebeu, durante as últimas 24 horas, "os corpos de mais de 90 rebeldes e numerosos feridos", declarou à AFP uma fonte médica, acrescentando que a infraestrutura está saturada e "a reenviar as vítimas para outros hospitais".

Num outro raide, no centro do país, atribuído aos EUA, pelo menos 41 presumíveis membros da Al-Qaeda, oito mulheres e oito crianças morreram, segundo um balanço obtido pela AFP junto de um responsável iemenita.

O exército norte-americano anunciou que um soldado dos EUA morreu e três outros ficaram feridos num ataque, assim como 14 combatentes do grupo "jihadista" morreram na mesma ação.

Esta operação é a primeira desde a chegada ao poder do Presidente norte-americano, Donald Trump, e ocorreu este domingo de manhã em Yakla, na província de Baida, indicou o mesmo responsável, revendo em alta um balanço anterior de 40 mortos.

Os 'drones' e helicópteros Apache, com metralhadoras pesadas, tiveram como alvo esconderijos da Al-Qaeda numa escola, uma mesquita e uma clínica.

Fontes tribais e locais tinham indicado também que o raide ainda visou as casas de três chefes tribais ligados à Al-Qaeda, que foram mortos.

A guerra no Iémen opõe as forças governamentais, apoiadas por uma coligação militar dominada pela Arábia Saudita, a rebeldes, suportados pelo Irão, que controlam vastos territórios, entre os quais a capital, Sana.

A 7 de janeiro, as forças leais ao Presidente, Abd Rabbo Mansour Hadi, apoiadas por uma coligação árabe sob comando saudita, lançaram uma grande ofensiva com a ajuda da aviação e da marinha, para retomar várias áreas costeiras ao longo do mar vermelho, incluindo a cidade de Mokha, aos rebeldes Houthi e aos seus aliados, apoiantes do ex-presidente Ali Abdullah Saleh.

Um total de cerca de 370 rebeldes e combatentes leais foi morto desde 7 de janeiro.

Depois de terem retomado o porto de Mokha, estas forças recuperaram na sexta-feira a sede da polícia da cidade e várias ruas circundantes com 27 mortos de ambos os lados, de acordo com um oficial militar.

As forças pró-governamentais já retomaram o distrito Dhubab, a norte do estreito estratégico de Bab Al Mandeb, que liga o Mar Vermelho e o Oceano Índico.Mais de 7.400 pessoas foram mortas no conflito no Iémen desde março de 2015, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).U

m coordenador humanitário da ONU, Jamie McGoldrick, apresentou um relatório no qual dá um balanço superior de vítimas mortais, estimando que foram mortos 10.000 civis.

Com Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.