sicnot

Perfil

Mundo

Ex-secretária do ministro da Propaganda nazi morre aos 106 anos

Matthias Balk

Brunhilde Pomsel morreu em Munique poucas semanas depois do seu 106º aniversário. Foi secretária de Joseph Goebbels, o ministro da Propaganda da Alemanha nazi.

Brunhilde era uma dos últimos sobreviventes da administração de Hitler, e durante grande parte da sua vida conviveu com um dos homens que foi considerado dos piores criminosos de guerra do século XX, Goebbels.

Nascida em 1911, trabalhou como escritora para uma companhia de seguros judaica durante a adolescência. Mais tarde, juntou-se ao Partido nazi para conseguir um trabalho na rádio pública alemã.

Contudo, foi o seu trabalho enquanto datilógrafa que se destacou dentro do partido, acabando por tornar-se secretária de Joseph Goebbels em 1942, durante a guerra.

Goebbels era responsável pela propaganda nazi, e Brunhilde Pomsel considerava-o "um homem bonito... mas um pouco pequeno", sempre bem vestido, mas arrogante.

Só recentemente Brunhilde aceitou falar sobre a sua vida, afirmando que sabia muito pouco sobre as decisões de assassinar milhões de judeus. A alemã diz que, por isso, nunca se sentiu "culpada" pelo que aconteceu no Holocausto.

A alemã morreu a 27 de janeiro de 2017, com 106 anos.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.