sicnot

Perfil

Mundo

Setor tecnológico dos EUA estuda resposta judicial conjunta a decreto anti-imigração

Mark Lennihan

Um grande grupo de empresas do setor tecnológico dos Estados Unidos está a começar a preparar uma ação judicial conjunta para contestar o decreto anti-imigração do Presidente, Donald Trump, indicaram esta terça-feira fontes próximas do processo.

Trump proibiu na sexta-feira passada, por decreto, a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Irão, Iraque, Iémen, Somália, Sudão, Síria e Líbia) durante 90 dias, de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias e dos refugiados sírios indefinidamente - para rever os critérios de concessão de vistos de residência.

Esta ordem executiva desencadeou um cerrar de fileiras, em particular no setor tecnológico, com os dirigentes de gigantes como Google, Microsoft, Facebook, Apple, Amazon e Netflix a expressarem preocupação. Mais de 20 empresas vão participar numa reunião para debater que opções têm contra o decreto, que poderá ter graves consequências para um setor que emprega milhares de imigrantes e de estrangeiros.

"É ainda demasiado cedo, mas a estratégia será provavelmente semelhante à do caso do iPhone de San Bernardino", disse, a coberto do anonimato, um funcionário do setor tecnológico que acompanha o que está a ser discutido. As autoridades tentaram obrigar a Apple a ajudar a polícia a desbloquear um iPhone pertencente a um dos autores do tiroteio que fez 14 mortos naquela cidade da Califórnia em 2015.

A Apple recusou, e várias empresas do setor tecnológico manifestaram-se solidárias enviando à Justiça uma carta de apoio aos seus argumentos.

Entre os participantes esperados na reunião estão, entre outros, a Alphabet, casa-mãe da gigante da internet Google, o serviço de vídeo 'online' Netflix, a plataforma de reservas de alojamento em casas particulares Airbnb e a rede social Twiter, segundo a mesma fonte.

Outras empresas foram convidadas, entre as quais a produtora de 'software' Adobe Systems, as plataformas de armazenamento 'online' Dropbox, de venda de produtos artesanais Etsy e de comentários de internautas Yelp, a fundação Mozilla - que desenvolveu o navegador de internet Firefox -, o serviço Pinterest - que se propõe colecionar imagens relacionadas com os interesses de cada um -, o agregador de blogs Reddit, o grupo informático Salesforce, a empresa de satélites SpaceX e a criadora de jogos de vídeo Zynga.

As discussões incluem "vários membros" de uma associação do setor tecnológico sediada em Washington, indicou também outra fonte.

Diversas ações judiciais foram interpostas nos últimos dias contra o decreto presidencial, e alguns juízes impediram a aplicação de alguns dos pontos do diploma.

A gigante do retalho 'online' Amazon e a viajante pela internet Expedia, que têm ambas sede no estado de Washington, no noroeste do país, já enviaram documentos ao sistema judicial para apoiar uma queixa do ministério da Justiça estadual exigindo o fim imediato da aplicação do decreto, porque o considera inconstitucional. A Amazon indicou ter 49 assalariados nascidos num dos países visados no decreto presidencial, bem como sete pessoas às quais fez uma proposta de emprego.

O grupo precisou ter "contactado os empregados da Amazon em causa e as pessoas dependentes deles e recomendado que se abstenham de viajar para fora dos Estados Unidos até novas ordens".

Desde sexta-feira, várias empresas e associações tecnológicas criticaram a ordem presidencial e avisaram que a sua aplicação prejudicará a competitividade do setor nos Estados Unidos." [Notes:Tais medidas] criam uma incerteza considerável em torno do sistema de imigração da nossa nação e terão um impacto negativo sobre os trabalhadores do setor tecnológico que vivem e trabalham no nosso país", indicou Linda Moore, presidente da organização setorial TechNet.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59