sicnot

Perfil

Mundo

Trump promete proteger as minorias sexuais contra a discriminação no trabalho

O candidato presidencial republicano num comício em outubro de 2016.

© Carlo Allegri / Reuters

O Presidente norte-americano prometeu hoje que vai proteger as pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (LGBT) contra as discriminações laborais, diz a Casa Branca em comunicado. A confirmar-se será um raro caso de continuidade do trabalho do antecessor Barack Obama.

O novo Presidente republicano "está determinado em proteger o direito de todos os americanos, incluindo os da comunidade LGBT", afirma o gabinete de imprensa da Casa Branca no comunicado citado pelas agências AP e France Press.

O decreto assinado pelo antecessor democrata Barack Obama em 2014 que protege os trabalhadores das "discriminações anti-LGBT no trabalho em funções federais permanecerá igual como pede o Presidente Donald J. Trump", sublinha a Casa Branca.

Nas últimas horas, vários meios de comunicação social norte-americanos, incluindo o Washington Post, avançavam que a Administração Trump iria reverter os direitos das minorias sexuais e as proteções contra discriminações, nomeadamente dos empregados do Governo federal e subcontratados.

O anúncio surge algumas horas antes de Trump anunciar quem será juiz do Supremo Tribunal. O nomeado, depois de confirmado pelo Senado, terá palavra sobre eventuais casos em tribunal sobre direitos de casais homossexuais. O Supremo Tribunal legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2015, mas há vários estados que tentam restringir esta decisão.

"O Presidente Trump mantém o respeito e o apoio aos direitos das pessoas LGBT, tal como fez durante a eleição", refere a Casa Branca.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11