sicnot

Perfil

Mundo

Cantor britânico ficou 14 anos sem lavar o cabelo

O músico britânico e antigo elemento da boys-band Take That, Gary Barlow, revelou no Twitter que tinha lavado o cabelo pela primeira vez em 14 anos. Uma publicação que gerou polémica e lançou um novo tópico de discussão: haverá ou não benefícios para o cabelo ao não o lavar?

Na conta que tem na rede social Twitter, Gary Barlow falou num "dia muito importante", em que lavou o cabelo "pela primeira vez em 14 anos!".

Gary Barlow durante um concerto em 2014

Gary Barlow durante um concerto em 2014

© POOL New / Reuters

2005, dois anos depois do músico ter deixado de lavar o cabelo.

2005, dois anos depois do músico ter deixado de lavar o cabelo.

© STR New / Reuters

2010

2010

© Phil Noble / Reuters

CONTRA O USO DE SHAMPÔ

A primeira história em defesa desta teoria chega de Inglaterra e foi contada à BBC por Patrick Graham, que deixou de usar shampô há 25 anos, quando ouviu que o cabelo se poderia manter limpo e saudável por si mesmo.

O homem, de 60 anos, explica que "tinha problemas com a caspa" e não se conseguia "livrar dela". "Assim que parei, o meu cabelo ficou pior durante cerca de duas semanas, mas pouco depois comecei a sentir-me limpo e já não tenho caspa há 25 anos. O meu cabelo não cheira mal, está limpo.", conta.

Uma outra história de abandono dos shampôs é contada pela blogger britânica Kayleigh Thomas, que deixou de o usar em março de 2015, depois de ver na rede social Snapchat a história de uma mulher que já não o fazia há dois anos.

"O meu cabelo está agora mais maleável e não sinto que o tenha de alisar ou encaracolar com recurso a placas, o que me poupa bastante tempo de manhã", conta a jovem de 28 anos, de Milton Keynes.

(Instagram)

(Instagram)

Outras figuras públicas também já admitiram ter deixado de usar quaisquer produtos para o cabelo. São os casos do jornalista escocês Andrew Marr e do político Matthew Parris.

© POOL New / Reuters

(Facebook)

(Facebook)

EM DEFESA DO USO DO SHAMPÔ

O outro lado da moeda é dado por Mark Coray, antigo presidente da Federação Britânica de Cabeleireiros e proprietário de um salão em Cardiff, que defende que não há quaisquer benefícios em não lavar o cabelo.

(Facebook)

(Facebook)

"O shampô não é abrasivo nem danifica o couro cabeludo. Os ingredientes ajudam o cabelo a tornar-se mais lustroso. Pode haver mais presença de óleo no cabelo, o que o torna mais brilhante e mais fácil de dominar, mas não se vai manter limpo por si mesmo", explica Coray.

Diferentes teorias para diferentes práticas, numa discussão que promete continuar a gerar controvérsia entre os defensores de ambos os lados.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.