sicnot

Perfil

Mundo

Novo material que reage à luz promete janelas e painéis solares inovadores

Janelas que mantêm edifícios e automóveis frescos em dias de calor ou painéis solares três vezes mais eficientes são possíveis aplicações para um novo material fino, flexível e que absorve a luz, a ser desenvolvido na Universidade da Califórnia.

O material, concebido por engenheiros da Universidade em San Diego, é descrito como "absorvente de largo espectro de frequências" e bloqueia muito mais luz infravermelha, sendo capaz de absorver luz incidindo de qualquer ângulo e, teoricamente, pode ser adaptado para absorver tipos específicos de onda do espectro luminoso, deixando passar outros.

Segundo os responsáveis da Universidade, que apresentam o novo material num comunicado hoje divulgado, já há materiais que absorvem a luz mas são volumosos ou quebram quando dobrados. E também não podem ser controlados para absorver apenas um determinado tipo de comprimento de onda.

Recorrendo a tecnologia de nanopartículas, uma equipa liderada pelos professores Zhao wei Liu e Donald Sirbuly, da Escola de Engenharia da Universidade de San Diego, criaram o novo material fino, flexível e ajustável.

O material poderá ser aplicado a qualquer tipo de substrato e em grandes superfícies, como janelas. Os responsáveis salientaram que os nanomateriais normalmente não são fabricados em escalas maiores do que alguns centímetros.

A nova tecnologia ainda está em fase de desenvolvimento, continuando as equipas a trabalhar para explorar diferentes materiais e geometrias, para desenvolver absorvedores de grande espectro que trabalham em diferentes comprimentos de ondas de luz.

Lusa

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão