sicnot

Perfil

Mundo

Zedu vai mesmo embora? (e mais oito ou nove perguntas sobre Angola)

Themba Hadebe / AP

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação

O Comité Central do MPLA aprovou hoje as listas de deputados às legislativas de agosto. E José Eduardo dos Santos não encabeça a lista. O segundo presidente com mais tempo no poder em todo o mundo - 38 anos - vai mesmo sair. João Lourenço é o homem que se segue. Algumas perguntas e respostas sobre o que se pode seguir em Angola

1. José Eduardo dos Santos vai mesmo deixar a Presidência de Angola? Sim. Desta vez é mesmo a sério. Ao fim de 38 anos, a promessa de sair é cumprida, tal como foi anunciado no ano passado. José Eduardo dos Santos não encabeça a lista do MPLA às legislativas de agosto e, assim, deixa de poder ser Presidente, já que segundo a Constituição angolana, o número um da lista mais votada ocupa automaticamente o Palácio presidencial.

2. Mas então porque é que José Eduardo dos Santos está na lista, em terceiro lugar? Afinal não está na lista. De manhã, tudo indicava que o atual Presidente iria ocupar simbolicamente o terceiro lugar na lista do MPLA. Mas ao fim do dia, fontes oficias garantiram que essa ideia foi completamente posta de parte.

3. Porque é que "Zedu" sai neste momento? Durante algum tempo especulou-se que poderia sair a meio do mandato que ainda decorre, deixando o lugar a Manuel Vicente, seu vice e ex-líder da Sonangol. Mas o discreto engenheiro nunca agradou ao MPLA - não tinha carreira política, nunca tinha feito parte do Comité Central ou do Bureau Político - e caiu em desgraça quando foram divulgados casos judiciais em Portugal e, sobretudo, relatórios oficiais sobre a sua gestão na Sonangol. Com Vicente fora de pista, a sucessão só podia ser feita em eleições, o que acontece este ano. A outra solução seria assumir mais um mandato e sair a meio, mas isso "atirava" a saída para 2019 ou 2020 e José Eduardo dos Santos não parece disposto a isso.

© Herculano Coroado Bumba / Reu

4. É verdade que José Eduardo dos Santos está doente? Não há qualquer confirmação oficial sobre o estado de Saúde do Presidente, apesar das frequentes idas a Barcelona, onde é seguido. Mas é seguro que a situação de saúde não é muito boa ou, pelo menos, não foi no ano passado quando o Presidente acelerou a sua sucessão. A especulação é recorrente, tal como os desmentidos oficiais. Mas é natural que a saúde, bem como a idade, tenham sido essenciais num processo sucessório que não era levado a sério até ao ano passado.

5. Quem é o seu sucessor? João Lourenço, general, ministro da Defesa e atual número dois do MPLA. Uma pessoa discreta, mas com profundo conhecimento das duas instituições mais importantes no país, as forças armadas e o MPLA. No fundo, João Lourenço tem tudo o que Manuel Vicente não tinha: o respeito, o conhecimento e a admiração do partido e do exército. As suas qualidades políticas ou diplomáticas são mais desconhecidas e alvo de análises muito diferentes. Como líder nacional, João Lourenço é uma incógnita.

6. Que garantias dá João Lourenço? A José Eduardo dos Santos, quase todas. À sua família, também? Ao partido e ao exército, idem. Ao país, ninguem sabe ao certo. João Lourenço travará qualquer agitação ou insurreição e tantará manter tudo nos eixos. E isso é, para muitos, o mais importante. No fundo, as verdadeiras almas pardas do regime, como os generais Kopelipa ou Dino, vão manter o poder político, militar e empresarial. O resto da elite política e militar também. E ninguém espera ajustes de contas ou listas negras.

João Lourenço, o general que é ministro da Defesa e vai ser o próximo Presidente

João Lourenço, o general que é ministro da Defesa e vai ser o próximo Presidente

7. Porque é que os filhos foram afastados da linha de sucessão? A ideia de que Isabel dos Santos ou o seu irmão José Filomeno, que está à frente do Fundo Soberano nacional, podiam ser os sucessores presidenciais sempre pareceu absurda. Mas ganhou alguma força no ano passado,apesar de sempre negada pelas fontes oficiais e pelos mais próximos do Presidente. A única filha que já era deputada é Tchizé dos Santos, mas num lugar pouco relevante. Isabel e José Filomeno ficam em lugares chave, sobretudo na atual situação financeira do país. A Sonangol é a empresa que define o futuro imediato de Angola e o Fundo Soberano é fundamental em gestão de tesouraria e aplicações financeiras. Num momento em que os estados estrangeiros e os bancos internacionais fecharam as portas ao país e quase não há divisas, eles têm a chave do cofre.

8. A transição será pacífica? Tudo indica que sim, pelo menos do ponto de vista político e militar. Não há nenhum partido em Angola com grande força eleitoral, a não ser que exista alguma grande surpresa na votação de agosto. Nas últimas eleições o MPLA teve 71% e deve voltar a vencer com facilidade, apesar de João Lourenço não ter a popularidade de José Eduardo dos Santos. Os maiores receios do regime são, assim, sociais: o desemprego, sobretudo dos jovens, a falta de perspetivas económicas, a péssima qualidade de vida das grandes cidades, sobretudo em Luanda, e a repressão policial de qualquer ajuntamento ou contestação são os principais perigos. Como se viu na desproporcionada reação ao caso Luaty Beirão, o regime tem mais receio deste tipo de contestação do que de protestos mais tradicionais ou orgânicos. São os movimentos sociais que mais podem abanar o regime.

Isabel dos Santos, fora da linha de sucessão, mas à frente da poderosa Sonangol

Isabel dos Santos, fora da linha de sucessão, mas à frente da poderosa Sonangol

© Ed Cropley / Reuters

9. O que vai acontecer à família? Esta é, seguramente, uma das questões que mais preocupou José Eduardo dos Santos antes de decidir a sucessão. Em África, e não só, há demasiados exemplos de ex-líderes que caem em desgraça ou são investigados e/ou ostracizados por quem lhes sucede. E o mesmo acaba por suceder aos seus familiares e mais próximos. João Lourenço garante que nada disso suceda, assegurando a calma e a transição pacífica no MPLA e no exército. A liderança de Isabel dos Santos na Sonangol, decidida há poucos meses, é exemplar desse processo. A gestora largou a maior parte dos cargos que tinha em Portugal para se dedicar em full time à reestruturação da Jóia da Coroa empresarial angolana. E tem feito um trabalho implacável, num momento em que a empresa está tecnicamente falida. Afastá-la do cargo era um suicídio económico, tal a dependência que o país tem da Sonangol.

10. E o que pode esperar Angola? Os maiores desafios são económicos e sociais. Esses são os grandes falhanços dos anos de José Eduardo dos Santos, que não conseguiu aproveitar um período de forte crescimento económico em benefício da população. A dependência absoluta do petróleo manteve-se e o país continua totalmente ligado às variações do preço da matéria-prima. 2017 promete algum fulgor ao preço do petróleo, devido a incertezas geo-políticas e ao eventual recuo que o Irão tenha que fazer nos mercados internacionais. Mas, a médio prazo, o país tem que diminuir drasticamente a dependência do ouro negro ou continuará a ser ultrapassado em todos os sociais pela maioria dos países africanos, incluindo os que têm muito menor potencial demográfico ou económico.

  • As primeiras reações à morte de Chester Bennington

    Cultura

    Chester Bennington, vocalista da banda de metal alternativo Linkin Park, morreu esta quinta-feira em casa em Palos Verdes Estates, no estado da Califórnia, nos EUA. Várias celebridades já reagiram à morte do músico de 41 anos. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • O que resta do navio de salvamento mais famoso de Portugal?
    15:26
  • O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional

    Mundo

    A antiga estrela de futebol americano O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional, depois de ter cumprido nove anos de prisão num estabelecimento prisional do estado do Nevada, nos Estados Unidos.

  • Filho do leão Cecil também foi abatido por um caçador

    Mundo

    Xanda pode ter tido o mesmo fim que o seu pai, o leão Cecil, que em 2015 foi abatido por um caçador, no Zimbabué. Na altura, a morte de Cecil tomou proporções inéditas, chegando uma imagem do leão a ser projetada na fachada do Empire State Building. Agora, Xanda terá sido abatido a tiro por um caçador de troféus.