sicnot

Perfil

Mundo

Israel aprova lei que permite ao Estado apropriar-se de terras palestinianas

O parlamento israelita votou esta segunda-feira uma lei que vai permitir ao Estado apropriar-se de centenas de hectares de terras palestinianas na Cisjordânia ocupada, dando um novo golpe em qualquer perspetiva de paz.

A lei foi aprovada por 60 deputados e rejeitada por 52.A legislação legaliza no âmbito do direito israelita o roubo de terra aos palestinianos e constituirá mais um passo para a anexação de uma parte da Cisjordânia, segundo os críticos.

O líder da oposição do Partido Trabalhista, Isaac Herzog, qualificou a lei como um "ato desprezível", que vai "anexar milhões de palestinianos" e expor soldados e políticos israelitas a julgamentos nos tribunais criminais internacionais.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Ofir Akounis, do partido de direita, Likud, do primeiro-ministro do país, afirmou que "toda a terra de Israel pertence ao povo judeu". "Aquele direito é eterno e incontestável", vincou.

Desde 20 janeiro, quando Donald Trump assumiu a Presidência dos Estados Unidos, Israel fez cinco anúncios de colonização em mais de 6.000 novas unidades habitacionais na Cisjordânia e Jerusalém Oriental, territórios palestinianos ocupados.

Grande parte da comunidade internacional refere-se aos colonatos como um obstáculo à paz entre israelita e palestinianos, em conflito há 70 anos.

O coordenador especial da ONU para a paz, Nikolay Mladenov, disse estar "preocupado" com a nova lei, que reduz "significativamente as perspetivas de paz".

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32