sicnot

Perfil

Mundo

Exército brasileiro na rua após 62 mortes em três dias em cidade com polícias em greve

GABRIEL LORDELLO

Pelo menos 62 pessoas morreram em Vitória, capital do estado brasileiro de Espírito Santo, desde sábado, quando a polícia militar iniciou uma greve em protesto contra a falta de investimento na segurança, levando o exército a sair à rua.

"O Governo (de Espírito Santo) tem vindo a tratar da segurança com desdém, está a precarizar os serviços, não investe na segurança e não dá valor ao pessoal", disse, na segunda-feira, o presidente do Sindicato de Polícias Civis estadual, Jorge Emiliano Legal, à agência Efe.

Nos últimos três dias houve um aumento da criminalidade, principalmente de "homicídios, roubos e furtos", os quais resultaram, até ao momento, em 62 mortes, um recorde histórico para Vitória em fevereiro", afirmou.

Segundo o dirigente sindical, a cidade vive um "verdadeiro caos" no domínio da segurança e os seus habitantes estão nervosos perante os assaltos que têm ocorrido desde que os agentes decidiram entrar em greve.

Desde sábado que familiares dos polícias militarizados, que exigem um maior investimento para garantir o bom exercício das suas funções assim como um "reajuste salarial", se têm manifestado e impedindo a saída dos agentes e viaturas dos quartéis.

Os familiares dos polícias militares lideram as ações de protesto porque os agentes têm estatuto de soldados e o Código Penal Militar pune com uma pena de até dois anos de prisão a sua participação em greves ou manifestações.

O Ministério da Defesa autorizou o envio de efetivos das Forças Armadas "para garantir a lei e a ordem" na cidade, respondendo a um pedido do governador César Roberto Colnago à Presidência da República.

"Quero ressaltar a inflexível determinação para restaurar e recuperar a normalidade (por parte do Governo). Estou certo de que com o apoio das forças locais, estaremos nas ruas para garantir a integridade das pessoas e das propriedades", afirmou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, em conferência de imprensa.

GABRIEL LORDELLO

Raul Jungmann indicou que o exército começou a atuar nas ruas de Vitória, com a presença de 200 militares, esperando-se que, em breve, durante o dia de hoje, cheguem outros mil agentes entre membros da Força Nacional (um corpo de elite da Polícia de caráter federal) e do Exército.

O sindicato considera que a decisão constitui um paliativo que "não vai resolver o problema da insegurança", já que o combate ao crime apenas pode ser eficaz se se investir na "reestruturação do corpo e em recursos humanos".

"Vai ser um paliativo porque (o exército) terá que regressar um dia aos quartéis e o crime ficará então livre", afirmou Legal.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59