sicnot

Perfil

Mundo

Exército brasileiro na rua após 62 mortes em três dias em cidade com polícias em greve

GABRIEL LORDELLO

Pelo menos 62 pessoas morreram em Vitória, capital do estado brasileiro de Espírito Santo, desde sábado, quando a polícia militar iniciou uma greve em protesto contra a falta de investimento na segurança, levando o exército a sair à rua.

"O Governo (de Espírito Santo) tem vindo a tratar da segurança com desdém, está a precarizar os serviços, não investe na segurança e não dá valor ao pessoal", disse, na segunda-feira, o presidente do Sindicato de Polícias Civis estadual, Jorge Emiliano Legal, à agência Efe.

Nos últimos três dias houve um aumento da criminalidade, principalmente de "homicídios, roubos e furtos", os quais resultaram, até ao momento, em 62 mortes, um recorde histórico para Vitória em fevereiro", afirmou.

Segundo o dirigente sindical, a cidade vive um "verdadeiro caos" no domínio da segurança e os seus habitantes estão nervosos perante os assaltos que têm ocorrido desde que os agentes decidiram entrar em greve.

Desde sábado que familiares dos polícias militarizados, que exigem um maior investimento para garantir o bom exercício das suas funções assim como um "reajuste salarial", se têm manifestado e impedindo a saída dos agentes e viaturas dos quartéis.

Os familiares dos polícias militares lideram as ações de protesto porque os agentes têm estatuto de soldados e o Código Penal Militar pune com uma pena de até dois anos de prisão a sua participação em greves ou manifestações.

O Ministério da Defesa autorizou o envio de efetivos das Forças Armadas "para garantir a lei e a ordem" na cidade, respondendo a um pedido do governador César Roberto Colnago à Presidência da República.

"Quero ressaltar a inflexível determinação para restaurar e recuperar a normalidade (por parte do Governo). Estou certo de que com o apoio das forças locais, estaremos nas ruas para garantir a integridade das pessoas e das propriedades", afirmou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, em conferência de imprensa.

GABRIEL LORDELLO

Raul Jungmann indicou que o exército começou a atuar nas ruas de Vitória, com a presença de 200 militares, esperando-se que, em breve, durante o dia de hoje, cheguem outros mil agentes entre membros da Força Nacional (um corpo de elite da Polícia de caráter federal) e do Exército.

O sindicato considera que a decisão constitui um paliativo que "não vai resolver o problema da insegurança", já que o combate ao crime apenas pode ser eficaz se se investir na "reestruturação do corpo e em recursos humanos".

"Vai ser um paliativo porque (o exército) terá que regressar um dia aos quartéis e o crime ficará então livre", afirmou Legal.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.