sicnot

Perfil

Mundo

Exército brasileiro na rua após 62 mortes em três dias em cidade com polícias em greve

GABRIEL LORDELLO

Pelo menos 62 pessoas morreram em Vitória, capital do estado brasileiro de Espírito Santo, desde sábado, quando a polícia militar iniciou uma greve em protesto contra a falta de investimento na segurança, levando o exército a sair à rua.

"O Governo (de Espírito Santo) tem vindo a tratar da segurança com desdém, está a precarizar os serviços, não investe na segurança e não dá valor ao pessoal", disse, na segunda-feira, o presidente do Sindicato de Polícias Civis estadual, Jorge Emiliano Legal, à agência Efe.

Nos últimos três dias houve um aumento da criminalidade, principalmente de "homicídios, roubos e furtos", os quais resultaram, até ao momento, em 62 mortes, um recorde histórico para Vitória em fevereiro", afirmou.

Segundo o dirigente sindical, a cidade vive um "verdadeiro caos" no domínio da segurança e os seus habitantes estão nervosos perante os assaltos que têm ocorrido desde que os agentes decidiram entrar em greve.

Desde sábado que familiares dos polícias militarizados, que exigem um maior investimento para garantir o bom exercício das suas funções assim como um "reajuste salarial", se têm manifestado e impedindo a saída dos agentes e viaturas dos quartéis.

Os familiares dos polícias militares lideram as ações de protesto porque os agentes têm estatuto de soldados e o Código Penal Militar pune com uma pena de até dois anos de prisão a sua participação em greves ou manifestações.

O Ministério da Defesa autorizou o envio de efetivos das Forças Armadas "para garantir a lei e a ordem" na cidade, respondendo a um pedido do governador César Roberto Colnago à Presidência da República.

"Quero ressaltar a inflexível determinação para restaurar e recuperar a normalidade (por parte do Governo). Estou certo de que com o apoio das forças locais, estaremos nas ruas para garantir a integridade das pessoas e das propriedades", afirmou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, em conferência de imprensa.

GABRIEL LORDELLO

Raul Jungmann indicou que o exército começou a atuar nas ruas de Vitória, com a presença de 200 militares, esperando-se que, em breve, durante o dia de hoje, cheguem outros mil agentes entre membros da Força Nacional (um corpo de elite da Polícia de caráter federal) e do Exército.

O sindicato considera que a decisão constitui um paliativo que "não vai resolver o problema da insegurança", já que o combate ao crime apenas pode ser eficaz se se investir na "reestruturação do corpo e em recursos humanos".

"Vai ser um paliativo porque (o exército) terá que regressar um dia aos quartéis e o crime ficará então livre", afirmou Legal.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.