sicnot

Perfil

Mundo

Filósofo Tzvetan Todorov morre aos 77 anos

© Eloy Alonso / Reuters

O filósofo francês de origem búlgara Tzvetan Todorov morreu esta terça-feira, aos 77 anos, em Paris, anunciou o seu editor em Espanha e a Fundação Princesa das Astúrias, que lhe atribuiu o prémio para as Ciências Sociais, em 2008.

Filósofo, linguista, sociólogo e crítico, Todorov nasceu em Sófia, na Bulgária, em 1939, tendo uma longa obra sobre política e linguagem, vários títulos da qual foram publicados em Portugal por diversas editoras, desde a Assírio & Alvim à Teorema.

O editor do filósofo em Espanha, Joan Tarrida, destacou o trabalho de Todorov sobre a influência da política nas liberdades individuais e recomendou a leitura deste intelectual como sendo relevante para a atualidade.

Em 2014, quando questionado pelo jornal El País sobre "o que resta quando os direitos se convertem numa realidade formal", Todorov realçou a importância de resistir: "Resta-nos protestar, recorrer à justiça. Não há que mudar os princípios, porque estão inscritos, mas já vimos que há formas de os esquivar e é necessário que o poder político não capitule perante a potência dos indivíduos que viram o contrato social a seu favor".

"A ideia de resistência parece-me fundamental na vida democrática. Há que ser vigilante, a imprensa tem de desempenhar um papel cada vez mais importante denunciando as transgressões dos partidos, faz falta que as pessoas possam intervir, mas sei que isso requer que sejam suficientemente vigilantes, valentes e ativas", afirmou Todorov.

Classificado pelo El Mundo como "o pensador da confusão contemporânea" e pelo Nouvel Observateur como o "fantástico humanista", Todorov estudou Filologia Eslava em Sófia, onde trabalhou com Roman Jacobson, antes de se mudar para Paris, em 1963, onde, segundo o mito descrito pela revista New Republic, acabado de chegar à estação, foi direto para a Sorbonne.

Uma vez na universidade, foi ter com o diretor da Faculdade de Letras, na posse de uma carta de recomendação do orientador em Sófia, para propor um projeto sobre "estilística", levando a que o responsável francês lhe respondesse de forma negativa: "Olhou para mim como se eu viesse de outro planeta e explicou-me, de forma fria, que não havia teoria literária na universidade nem havia planos para que houvesse no futuro", contou na sua autobiografia.

Todorov trabalhou com Roland Barthes e Gérard Genette, em Paris, onde veio a tornar-se diretor de investigação do Centro Nacional de Investigação em Ciências Sociais.

O filósofo assinou livros como "O medo dos bárbaros" (sem edição em Portugal), no qual abordava um tema presente na discussão política atual: "Este medo dos imigrantes, do outro, dos bárbaros, será o nosso primeiro grande conflito do século XXI", afirmou ao El País, em 2010.

Defensor da importância das ações comuns na interação entre a Humanidade, Todorov chegou a escrever que "os atos de virtude comum são realizados não em prol da humanidade ou da nação, mas sempre pelo bem do ser humano individual".

No âmbito da Declaração Universal da Diversidade Cultural, Todorov disse que "se não se tem um sentido da própria identidade e da confirmação da existência que essa identidade providencia, sente-se ameaçada e paralisada", o que leva à legitimação da necessidade de uma identididade.

"Porém, pessoas, como grupos, vivem com outras pessoas e outros grupos. E não é suficiente dizer que toda a gente tem o direito de existir. Temos de considerar como o nosso exercício deste direito afeta a existência dos outros", escreveu o autor.

Lusa

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Primeiro eclipse solar 100% visível nos EUA em 38 anos
    0:40
  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.