sicnot

Perfil

Mundo

Mais de metade do tráfego na internet não tem origem em pessoas

© Pawel Kopczynski / Reuters

De acordo com um novo estudo, os responsáveis pela maior parte do tráfego na internet não são humanos, mas sim bots - software automatizado que serve para completar e simplificar tarefas que os humanos também consigam fazer. Melhorar resultados das pesquisas ou até publicar nas redes sociais são apenas alguns dos exemplos. Mas também há os maus.

O estudo, citado pela publicação The Next Web e feito pela empresa de segurança Imperva Incapsula, revelou que apenas 48.2% do tráfego na internet é humano.

Lazaro Gamio / Axios

Depois de analisarem mais de 100 mil domínios e 16 mil milhões de visitas, a conclusão a que chegaram foi a de que os bots ultrapassam os humanos.

A má notícia é que os bots "maus" superam os "bons". Enquanto certos bots são criados para monitorizar e melhorar a internet, os maus exemplos também existem. Como por exemplo software que permite roubar informações, espalhar spam ou entupir um site com tráfego.

De acordo com este estudo, quase 30% do tráfego da internet é proveniente de bots "maus". "A estatística mais alarmante deste estudo (...) é que nos últimos cinco anos, a cada três visitantes de um website, um era um bot 'mau'", explicou Igal Zeifman, o diretor de marketing da Imperva.

Ainda que a maioria do tráfego da internet hoje já seja composta por bots, só em 2016 mais de 15 startups criaram projetos de financiamento, um pequeno vislumbre do que pode ser a realidade futura da internet.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.