sicnot

Perfil

Mundo

Periferia de Paris regista distúrbios pela terceira noite consecutiva

© Gonzalo Fuentes / Reuters

A periferia norte de Paris registou esta terça-feira a terceira noite consecutiva de distúrbios, após a violenta detenção de um jovem em Aulnay-sous-Bois, na quinta-feira, que levou um agente a ser acusado por violação e outros três por "violência voluntária".

Pelo menos 26 pessoas foram detidas durante a noite e cinco veículos foram incendiados, assim como alguns caixotes de lixo.Houve também tentativas de incendiar dois restaurantes que, apesar da intervenção dos bombeiros, ficaram danificados, disseram à EFE fontes policiais.

A detenção que motivou os protestos ocorreu na quinta-feira à tarde."Os polícias chegaram e disseram: Todos contra a parede", explicou o detido, Théo, um jovem negro de 22 anos à cadeia "BFMTV", contando que acabara de se cruzar com conhecidos do bairro.

Segundo contou, os agentes bateram-lhe de imediato e um deles introduziu-lhe no ânus um bastão extensível, que lhe provocou um rasgão, pelo que teve de ser operado.

O Ministério do Interior anunciou no domingo a suspensão dos quatro agentes. A procuradoria, indicam os media franceses, indicou que os agentes tentavam recolher a identidade de uma dezena de suspeitos de vigiar pontos de venda de droga nessa localidade da periferia da capital francesa.

Durante a operação, segundo versão das autoridades, tentaram deter o jovem e usaram gás lacrimogéneo e "um bastão extensível" porque ele resistiu.

Os protestos começaram no sábado e fazem lembrar a onda de violência que ocorreu no outono de 2005 em dezenas de bairros da cidade, pouco depois de o então ministro do Interior Nicolas Sarkozy prometer limpar essas zonas "com uma mangueira de alta pressão", acabar com "a escumalha" e curar "a gangrena" com uma atuação policial "de tolerância zero".

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26