sicnot

Perfil

Mundo

Uma fotografia de família com... 500 pessoas

ZHANG LIANGZONG

Na China, a família Ren decidiu reunir-se. Até aqui, nada de invulgar, não fosse o facto de esta família contar com cerca de dois mil membros, ainda vivos, distribuídos por sete gerações. Nem todos puderam estar na reunião, mas os 500 familiares que compareceram decidiram tirar uma fotografia para recordar o momento.

Aconteceu na semana passada, durante as celebrações do novo ano chinês, e as fotografias tiradas por drone comprovam que esta é uma família muito "invulgar".

Os 500 membros viajaram de Pequim, Shanghai, Xinjiang e Taiwan para poderem estar todos juntos. O momento teve que ser registado por drone, de forma a "caberem" todos na fotografia.

ZHANG LIANGZONG

Tudo começou quando os Ren decidiram atualizar a árvore genealógica. Depois de muito procurar, chegaram à conclusão de que estariam vivas cerca de duas mil pessoas com laços à família.

Ren Tuanjie, o chefe de família, explicou que "queríamos que os nossos descendentes conhecessem as suas «raízes», para que nunca se esquecessem de onde vieram".

As fotografias fizeram sucesso nos media chineses que decidiram brincar com a situação, "será que eles se conhecem uns aos outros?", questionam.

Não sabemos a resposta a esta pergunta, mas acreditamos que, para esta família, este terá sido certamente um momento muito especial.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.