sicnot

Perfil

Mundo

Descoberta técnica que permite detetar lesões renais de forma rápida e exata

Investigadores da Universidade de Aarhus, Dinamarca, descobriram uma técnica que permite diagnosticar lesões nos rins de forma "rápida e exata" e acreditam que, ainda que esteja apenas a ser testada em ratos, é transponível para humanos.

O estudo foi hoje publicado na revista Scientific Reports e anunciado em comunicado pela universidade.

De acordo com a investigação serão necessários apenas 45 minutos para chegar a um diagnóstico, usando amostras de sangue ou urina para testar a presença de uma enzima chamada 'fumarase'.

A fase seguinte é examinar o rim, usando um scanner para indicar em que parte do tecido se encontra a lesão, de acordo com um dos investigadores, Per Mose Nielsen.

"A enzima 'fumarase' é libertada das células danificadas por fatores externos.

Descobrimos que quanto maior a lesão renal, maior o nível da enzima detetado.

Isso significa que podemos de forma rápida e exata identificar o rim lesionado.

É possível detetar a lesão após 30 minutos [da sua formação] e até cerca de uma semana depois", disse Per Mose Nielson.

Até ao momento, a técnica foi apenas testada em ratos com lesões renais agudas, mas os investigadores esperam que o método seja transponível para humanos muito em breve.

"Estamos a fazer testes em sangue e urina humanos, mas ainda não começámos a fazer exames em scanner aos pacientes.

De momento, estamos a analisar amostras de sangue de pacientes em diálise com níveis diferentes de lesões renais. Se isto funcionar, podemos, em princípio, avançar em breve diretamente para a prática médica com as medições de 'fumarase'", explicou o investigador.

Lusa


  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite