sicnot

Perfil

Mundo

Estado brasileiro do Espírito Santo acusa 700 polícias pelo crime de revolta

O Governo do estado brasileiro do Espírito Santo anunciou hoje ter acusado 703 polícias militares pelo crime de revolta, numa resposta à paralisação destes agentes, que desde sábado não saem para patrulhar as ruas.

Como o direito à greve de funcionários públicos que trabalham armados, ou seja, das forças policiais, é proibida pela lei brasileira, se forem condenados estes militares poderão ser sujeitos a penas de entre oito e 20 anos de prisão.

A medida foi anunciada pelo secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, que informou também que, do pagamento dos agentes serão descontados todos os dias em que eles não saíram dos quarteis para trabalhar.

"O ponto [Notes:salário] será cortado a partir de sábado, quando houve a paralisação quase que total do efetivo da polícia militar (...) As férias dos polícias miliares também serão suspensas porque estamos diante de um quadro de motim", disse.

O secretário alegou que as autoridades estão também a identificar as mulheres dos polícias, que estão a impedir a saída dos agentes dos quarteis, e disse que irá enviar para o Ministério Público Federal (MPF) os nomes das que forem identificadas.

As mulheres poderão ser responsabilizadas pelos custos da operação das Forças Armadas enviadas ao estado.

"As mulheres vão ser responsabilizadas. Quem estiver no movimento e for identificada será intimada para prestar depoimentos porque eventualmente será responsabilizada pelos custos as forças armadas", declarou.

O Governo local também afirmou que não vai fazer qualquer reajuste aos salários dos polícias, porque o estado do Espírito Santo não tem dinheiro para fazer reajustes a qualquer categoria de funcionários públicos.

A greve dos polícias do Espirito Santo começou no último sábado e, desde então, uma onda de saques a lojas e supermercados, assaltos, mortes e tiroteios está a apavorar a população local.

Segundo informações do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol), até à noite de quinta-feira pelo menos 106 pessoas foram mortas de forma violenta no estado após a paralisação.


Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.