sicnot

Perfil

Mundo

Manifestação em Bagdade termina com sete mortos

© Mahmoud Raouf Mahmoud / Reute

Pelo menos sete pessoas morreram e dezenas de outras ficaram feridas durante confrontos, hoje no centro de Bagdade, capital do Iraque, entre as forças de segurança iraquianas e manifestantes que reivindicam reformas eleitorais.

Segundo fonte policial citada pela agência France Presse, a violência provocou sete mortos, dois deles elementos das forças de segurança. Os outros cinco serão manifestantes.

A manifestação começou pacificamente e vários oradores chegaram a falar na praça de Tahrir.

Contudo, alguns manifestantes terão tentado atravessar à força um cordão policial. Depois de tentarem atravessar uma ponte, as forças de seguranças lançaram gás lacrimogéneo para tentar que parassem, segundo um responsável da polícia.

Milhares de iraquianos seguidos do clérigo xiita Moqtada al-Sadr encontravam-se na praça Tahrir (da Libertação] para pedir a dissolução da comissão eleitoral, bem como reformas políticas, depois de o líder religioso ter apelado à participação deste protesto.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras