sicnot

Perfil

Mundo

Guterres inicia na Arábia Saudita visita a cinco países árabes

SAUDI PRESS AGENCY HANDOUT

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, começou hoje na Arábia Saudita a sua primeira visita à região, que o levará a cinco países árabes, desde que assumiu o cargo no mês de janeiro.

Em Riade, António Guterres foi recebido pelo rei saudita, Salman bin Abdulaziz, no palácio Al Yamama, com quem manteve uma conversa sobre as missões de paz que se desenvolvem neste organismo internacional, de acordo com a agência de notícias saudita.

Na receção estiveram presentes outros responsáveis sauditas e das Nações Unidas, entre os quais o enviado especial ao Iemen, Ismail Uld Sheij Ahmed.

A Arábia Saudita lidera a coligação de países árabes que intervêm militarmente na guerra no Iemen a favor do Presidente, Abdo Rabu Mansur Hadi.

Mais tarde, o responsável da ONU (Organização das Nações Unidas) manteve uma reunião com o príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Nayef, na qual manifestou o apoio do reino aos esforços de paz que as Nações Unidas levam a cabo na região e no mundo, segundo a agência de notícias local, citada pela Efe.

Por seu lado, Guterres agradeceu o apoio que a ONU recebe da Arábia Saudita neste sentido, assim como a ajuda humanitária que este país dá aos refugiados, segundo a mesma fonte.

Guterres chegou a Riade vindo da Turquia e tem previsto visitar em seguida os Emirados Árabes Unidos e nos próximos dias passará por Omã, Qatar e Egito.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32