sicnot

Perfil

Mundo

Maduro anuncia plano para ganhar a "guerra do pão" na Venezuela

© Handout . / Reuters

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou este domingo que o Governo vai implementar um plano para ganhar "a guerra do pão", um bem atualmente escasso no país, o que tem motivado longas filas junto às padarias, principalmente em Caracas.

"A federação dos padeiros de Caracas declarou guerra ao povo e tem o povo a fazer filas [...] , já estamos há meses nisto", afirmou o Presidente no seu programa semanal na televisão, adiantando que propôs "um plano especial para ganhar a guerra do pão" e acabar com as filas.

Maduro anunciou a intenção de abrir 10.000 padarias artesanais em todo o país com a ajuda dos chamados 'comités locais de abastecimento e produção', um programa governamental para entregar alimentos com preços mais baixos.

Em outubro passado, Maduro tinha afirmado que o seu homólogo russo, Vladimir Putin, lhe deu apoio para vencer "as máfias" da panificação, que, segundo o Presidente venezuelano, operam no país.

Seria também concluído um acordo para garantir ao país todo o trigo necessário.

Os padeiros queixam-se de dificuldades na obtenção de matéria-prima, decorrentes dos controles do Estado no acesso a divisas para a importação, enquanto o executivo insiste que está a chegar farinha em quantidade suficiente e atribui as filas a um boicote ao Governo.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Viver em Évora
    5:11
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.