sicnot

Perfil

Mundo

Conselho de Segurança reúne-se de emergência sobre míssil da Coreia do Norte

© Eduardo Munoz / Reuters

O Conselho de Segurança das Nações Unidas terá esta segunda-feira uma reunião de emergência após a Coreia do Norte ter anunciado o lançamento de um míssil balístico no domingo, um teste visto como um desafio ao Presidente norte-americano.

A reunião deverá ocorrer pelas 17:00 locais (22:00 em Lisboa), na sequência de um pedido pelos Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul.

A Coreia do Norte está proibida, por resoluções da ONU, de realizar lançamentos de mísseis balísticos ou testes de armas nucleares.

No entanto, no ano passado, o país realizou dois testes nucleares e numerosos lançamentos de mísseis numa tentativa de desenvolver um sistema de armas nucleares capaz de atingir solo norte-americano.

O último míssil, que Pyongyang diz ser capaz de transportar uma ogiva nuclear, voou cerca de 500 quilómetros antes de cair no Mar do Japão, segundo o Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

No domingo, Kim Jong-Un "exprimiu grande satisfação pela posse de outro meio de ataque nuclear que se junta ao enorme poder do país", segundo noticiou a agência oficial KCNA, citada pela France-Presse.

Na sequência do lançamento, "os Estados Unidos, o Japão e a República da Coreia solicitaram consultas urgentes sobre o lançamento de míssil balístico pela República Popular Democrática da Coreia", afirmou um porta-voz da missão norte-americana na ONU, citado pela Agência France-Presse.

O lançamento do míssil foi inicialmente anunciado pela Coreia do Sul e já foi condenado pelo secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), Jens Stoltenberg.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, reagiram ao ensaio de míssil exigindo que a Coreia do Norte pare com as provocações e garantindo que Washington e Tóquio estão juntos "a 100%".

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.