sicnot

Perfil

Mundo

Neurónios estão sempre a arranjar "planos B" para concretizar movimentos

(Arquivo)

Os neurónios que coordenam o movimento estão sempre a elaborar "planos B" e preparam os músculos para várias ações, mesmo antes de qualquer tomada de decisão, segundo um estudo de cientistas canadianos.

Seja a conduzir ou a escolher as compras no supermercado, o cérebro está sempre a dar ordens de movimento ao corpo e, a nível inconsciente, prepara os músculos para agir de várias maneiras, antecipando os cenários possíveis, de acordo com o estudo, publicado na publicação especializada Cell Reports.

Por exemplo, quando um jogador de futebol se dirige para a baliza, tem de evitar os defesas da outra equipa e achar o espaço certo para rematar e marcar golo.

Quando confrontado com duas aberturas possíveis, numa fração de segundo, a parte do cérebro que coordena o movimento dá ordem aos músculos para agirem das duas maneiras, de modo a que se uma não resultar, o jogador está pronto a seguir a segunda opção e rematar.

"Como os dois planos de ação já estão prontos, podemos mudar de um para outro, o que torna o tempo de reação mais rápido", afirmou Jason Gallivan, da Queen's University de Ontario, no Canadá.

Há muito tempo que os neurocientistas estudam o que é que se faz primeiro: decidir qual o alvo a atingir ou o plano para lá chegar. Seja no campo de futebol ou na vida quotidiana, as decisões sobre o movimento acontecem tão rapidamente que é difícil destrinçar.

Os cientistas canadianos concluíram que o cérebro está sempre a apreender o mundo como uma série de ações possíveis e objetos com os quais se pode interagir, arranjando constantemente planos alternativos para as várias possibilidades.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".