sicnot

Perfil

Mundo

Sacerdote suspeito de envenenamento do líder da igreja ortodoxa da Geórgia

Arquivo Reuters

© Eduard Korniyenko / Reuters

O sacerdote Gueorgui Mamaladze, administrador dos bens da igreja ortodoxa da Geórgia, foi detido sob suspeita de tentar envenenar o patriarca Elias II, disse hoje o chefe dos Serviços de Proteção de Tbilissi à estação de televisão Imedi.

A Procuradoria-Geral da Geórgia também confirmou a detenção de Gueorgui Mamaladze adiantando ter sido efetuado um interrogatório ao chefe de segurança da igreja ortodoxa da Geórgia, não se conhecendo mais pormenores sobre o caso.


Entretanto, Anzor Chubinidze, responsável pelos Serviços de Proteção, acompanha o patriarca de 84 anos que se encontra hoje na Alemanha onde vai ser submetido a uma operação à vesícula.


"Decidi comandar pessoalmente a segurança a Elias II", disse Chubinidze acrescentando que o líder da igreja ortodoxa da Geórgia vai fazer parte da comitiva do primeiro-ministro da Geórgia na próxima visita oficial do chefe de Estado a Berlim.


De acordo com a estação de televisão georgiana Imedi, Mamaladze foi detido na sexta-feira passada no aeroporto de Tbilissi quando se preparava para embarcar num voo com destino à Alemanha porque pretendia acompanhar o patriarca.


Elias II, líder da igreja ortodoxa da Geórgia desde 1977 é apontado, por sondagens realizadas nos últimos anos, como a figura com maior prestígio do país.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.