sicnot

Perfil

Mundo

Empresa belga implanta microchips nos funcionários

© Nigel Treblin / Reuters

Uma empresa belga está a implantar microchips nos seus funcionários. Estes chips contêm informação pessoal e dão acesso aos sistemas tecnológicos da empresa e dos escritórios, substituindo assim os cartões de identificação.

Estes engenhos levantam uma série de questões sobre a segurança pessoal de cada pessoa, incluindo se os chips monotorizam os movimentos daqueles que aceitaram a proposta da empresa.

NewFusion é uma empresa de Marketing na Bélgica e está a oferecer os chips aos seus funcionários. Os chips de identificação por radiofrequência (RFID) são do tamanho de um grão de arroz e armazenam informação pessoa, que pode ser transmitida através de pequenas distâncias para recetores específicos.

Os chips já podem ser encontrados em cartões sem contactos, como os bancários e os de viagem, existentes em alguns países.

Os engenhos usados pela empresa belga custam cerca de 100 euros cada, são inseridos entre o polegar e o dedo indicador e são também parecidos àqueles implantes nos animais.

© Nigel Treblin / Reuters

Cada vez mais pessoas e empresas optam por esta prática, conhecida como biohacking. É possível comprar kits de implante na internet, que incluem um injetor esterilizado já com o chip e um curativo para a ferida.

Segundo o Daily Mail, cerca de 10 mil pessoas de todo o mundo já usam esta tecnologia.

A NewFusion não é a primeira empresa a oferecer os RFID aos funcionários.

Em 2015, uma empresa sueca implantou chips nos seus trabalhadores, de modo a usarem as fotocopiadoras, entrarem na empresa e até pagar pelas suas refeições.

  • Tribunal de Contas apresentou reservas em relação ao SIRESP em 2006

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O Tribunal de Contas avisou em 2006 que o Estado poderia sair prejudicado nos moldes em que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) estava a ser desenhado. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias, terão sido a ausência de um concurso público, a falta de tempo para a apresentação de propostas e mexidas no caderno de encargos a motivar as reservas do tribunal.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29