sicnot

Perfil

Mundo

Globo e Folha de S. Paulo obrigados a apagar notícias sobre mulher de Temer

Marcela Temer, 33 anos, primeira-dama do Brasil.

© Ueslei Marcelino / Reuters

Uma reportagem produzida pela Globo sobre uma troca de mensagens entre Marcela Temer, mullher do Presidente brasileiro e um hacker que tentava extorquir-lhe dinheiro, foi alvo de uma invulgar ação judicial. Em resposta a uma queixa do Palácio do Planalto, a Justiça proibiu a divulgação de qualquer conteúdo do telemóvel da primeira-dama. A decisão judicial foi ainda aplicada ao jornal Folha de S. Paulo que também publicou a notícia, na sexta-feira passada.

A deliberação do juiz Hilmar Castelo Branco Raposo foi assinada na sexta-feira, mas os departamentos jurídicos do Globo e do Folha de S. Paulo só foram oficialmente notificados na segunda-feira.

A troca de mensagens em questão faz parte de um processo contra o hacker Silvonei de Jesus Souza, condenado a 5 anos e 10 meses de prisão em outubro do ano passado por tentar coagir Marcela Temer, ao utilizar conteúdo roubado do telemóvel e de contas de e-mail da primeira-dama.

A ação judicial contra os dois jornais teve início na sexta-feira. O subsecretário de assuntos jurídicos da Presidência da República, Gustavo do Vale Rocha, apresentou a queixa, logo após o contacto da Globo e da Folha de S. Paulo que solicitaram uma reação por parte da Presidência sobre a reportagem.

O juiz Hilmar Castelo Branco Raposo sustenta que "a inviolabilidade da intimidade tem resguardo legal claro" e proíbe a divulgação de qualquer conteúdo do telemóvel de Marcela Temer. O conteúdo da reportagem original foi retirado do site esta segunda-feira, logo após o Globo ter sido judicialmente notificado.

Comunicação social denuncia caso de censura

O jornal Folha de S. Paulo avançou que o hacker alertou que, caso fosse divulgado, o material poderia prejudicar a reputação do Presidente - "jogando o nome dele na lama", pois mostraria que Temer ter-se-ia envolvido em conduta imprópria e, talvez, ilegal. O jornal também publicou diversas mensagens de WhatsApp enviadas pelo hacker.

O Presidente Temer e a mulher negaram que o material pirateado revele qualquer irregularidade.

De acordo com o The Intercept, publicação criada para defender e apoiar a liberdade de imprensa em todo o mundo, "o que torna esse episódio particularmente bizarro é que não havia informações sensíveis no material publicado" pelo jornal Folha de S. Paulo.

Embora possa haver indícios de que o hacker tenha obtido fotografias íntimas do telemóvel de Marcela, nada no artigo fazia referência a esse facto. Pelo contrário, tudo o que o jornal publicou e descreveu faz parte do processo público contra o hacker.

Na reportagem sobre a censura, o Folha de S. Paulo explica que qualquer advogado ou pessoa registada no site da Justiça poderia aceder ao material que o jornal foi ordenado a retirar do ar. O caso em questão e o material relacionado são considerados de pleno interesse público.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.