sicnot

Perfil

Mundo

Apenas 10% dos brasileiros considera que Governo de Temer é bom

© Adriano Machado / Reuters

O Governo do Presidente do Brasil, Michel Temer, é considerado bom por apenas 10,3% da população brasileira, indicou esta quarta-feira uma pesquisa divulgada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

Os números registados em fevereiro apontam uma queda significativa de popularidade em relação a amostragem divulgada em outubro do ano passado, quando a gestão do Presidente brasileiro era considerada boa por 14,6% dos entrevistados.

A avaliação do Governo Michel Temer é negativa para 44,1% e regular para 38,9% dos brasileiros. Nesta pesquisa, 6,7% disseram que não sabiam opinar.

A aprovação do desempenho pessoal do Presidente Michel Temer ficou 24,4% contra 62,4% de desaprovação, além de 13,2% que não souberam opinar.

A pesquisa também se debruçou sobre a corrupção no Brasil, assunto constantemente alimentado pelas descobertas da Operação Lava Jato, que apura irregularidades cometidas na estatal Petrobras e em outros órgãos públicos do país.

Ao comparar a ocorrência de corrupção no Governo de Michel Temer com o de sua antecessora Dilma Rousseff, 48,8% dos entrevistados consideram que o nível de corrupção é igual nos dois governos.

Para 31,5%, havia mais corrupção no Governo de Dilma Rousseff, e 16,1% acham que há mais corrupção no Governo de Michel Temer.

O levantamento apresentou, ainda, um cenário para as eleições presidenciais que devem ser disputadas no país em 2018.

A intenção de voto para a eleição presidencial indica liderança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos cenários de primeira e segunda volta.

Nota-se, ainda, aumento nos valores percentuais para o candidato conservador Jair Bolsonaro.

No entanto, a pesquisa conclui que "o cenário eleitoral ainda permanece indefinido, com elevado percentual de eleitores indecisos ou que votariam em branco ou nulo, o que favorece o surgimento de novas lideranças políticas e de propostas."

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),