sicnot

Perfil

Mundo

Oposição síria a caminho de Astana para as conversações de paz

© Khalil Ashawi / Reuters

Uma delegação da oposição síria partiu esta quarta-feira para Astana para participar nas conversações de paz, adiadas por um dia, segundo fonte russa, porque os representantes da oposição e da Turquia não chegaram a tempo à capital do Cazaquistão.

"Estamos agora a caminho de Astana como delegação oficial da oposição", disse a porta-voz Yehya al-Aridi à agência France-Presse.

A delegação, da chamada Coligação Nacional, cuja base é em Istambul, vai reunir-se com representantes da Rússia, da Turquia e da ONU, acrescentou.

A delegação é dirigida por Mohammad Alloush, um dirigente do grupo rebelde Exército do Islão (Jaish al-Islam), e é "mais pequena" que a que participou na anterior ronda de conversações.

"Vamos lá por uma questão em particular, uma questão essencial: foi-nos prometido que vai haver uma confirmação do cessar-fogo", disse Aridi.

O cessar-fogo negociado pela Rússia e pela Turquia no final de dezembro tem sido violado um pouco por toda a Síria, com confrontos na cidade de Daraa (norte) e bombardeamentos nas províncias de Alepo e Hama.

A Rússia vai estar representada em Astana pelo enviado do presidente Alexander Lavrentiev e o Irão pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Hossein Jaberi Ansari.

Os 'media' sírios noticiaram esta quarta-feira a chegada da delegação do regime a Astana e o enviado especial da ONU, Staffan de Mistura, indicou que não vai estar presente, mas será representado por uma "equipa técnica".

A segunda ronda de conversações de Astana devia começar esta quarta-feira, mas ao princípio da manhã o Ministério dos Negócios Estrangeiros cazaque anunciou o adiamento para quinta-feira.

Lusa

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.