sicnot

Perfil

Mundo

Tributar açúcar e gordura pode fazer aumentar esperança de vida em oito dias

© Cathal McNaughton / Reuters

Um novo estudo afirma que mais impostos sobre alimentos ricos em açúcar, sal e gorduras saturadas ajudaria a reduzir o problema da obesidade na Austrália e economizar milhões de dólares.

Os investigadores da Universidade de Melbourne reavivaram o debate sobre o chamado "imposto de gordura".

A medida economizaria mais de 3 mil milhões de dólares (2,7 mil milhões de euros) em custos com assistência médica e aumentaria a esperança de vida dos australianos em cerca de oito dias.

"Pode não parecer muito, mas na verdade a maioria das intervenções de saúde não se aproxima desse tipo de ganho", disse o professor e co-autor do estudo Tony Blakely à SBS News.

Blakely afirmou que a medida não é uma "bala de prata" para combater a obesidade na Austrália, mas ajudaria a iniciar um processo de alimentação saudável.

O estudo mostra ainda que o imposto funcionaria melhor se acompanhado de subsídios para frutas e vegetais para diminuir a carga financeira nas famílias mais pobres.

O consumo, a longo prazo, de alimentos ou bebidas que ricos em gorduras saturadas, açúcar e sal tem uma ligação comprovada com complicações de saúde.

Os países escandinavos lideram desde há muito a cobrança de impostos sobre alimentos e bebidas não saudáveis. A Finlândia tem um imposto sobre doces, chocolate e gelado desde 2011. Muitos outros países como a Hungria, França, México e o Reino Unido seguiram o exemplo taxando refrigerantes, e a Índia nos hambúrgueres, pizzas e outras comidas menos saudáveis.

No entanto, a Dinamarca lançou um imposto sobre os alimentos ricos em gorduras saturadas, como manteiga e óleo, mais tarde vindo a aboli-lo, porque abaou a encorajar muitas pessoas a fazer compras fora do país.

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26