sicnot

Perfil

Mundo

Blogger de viagens detido por visitar país que não existe

STR

Um blogger de viagens acabou preso depois de visitar uma das zonas mais militarizadas do mundo - Nagorno-Karabakh - disputada por duas nações. Alexander Lapshin é um blogger de Israel, muito conhecido pelas suas publicações irónicas sobre os lugares que visita.

No seu blog Life Adventures (aventuras da Vida, em português), Lapshin conta os seus problemas com o transporte, as suas visitas a lugares pouco explorados e as suas opiniões sobre aldeias, vilas e cidades. De vez em quando, o blogger levanta questões sobre a política internacional.

Contudo, a sua última viagem acabou com Lapshin numa prisão na Bielorrússia e provocou manifestações de políticos de vários países, assim como do Presidente do país e o ministro russo dos Negócios Estrangeiros.

A crise aconteceu após repetidas viagens de Lapshin a Nagorno-Karabakh, um território dentro da fronteira do Azerbaijão, mas com uma população de maioria arménia, do país vizinho.

Desde o fim da União Soviética, as populações do Azerbaijão e da arménia intensificaram a disputa pelo território, culminando num conflito armado continua até aos dias de hoje na região, apesar de um cessar-fogo oficial em 1994.

Soldados arménios em Nagorno-Karabakh

Soldados arménios em Nagorno-Karabakh

© Reuters Staff / Reuters

Expulso de Nagorno-Karabakh

Entre 2011 e 2012, Lapshin visitou Nagorno-Karabakh, escrevendo sobre a região no Life Adventures. Na altura, o Azerbaijão acusou-o de entrar ilegalmente no território, banindo-o do país.

Lapshin ignorou a ordem e viajou uma vez mais para o Azerbaijão, em 2016. Desta vez, o homem usou um passaporte diferente, visto que tem nacionalidades israelita, russa e ucraniana. Foi com o passaporte ucraniano que o blogger entrou outra vez naquela região.

As autoridades do Azerbaijão defendem que Lapshin apoiou a independência do território no seu blog e, pela lei nacional, este tipo de manifestações é ilegal. Deste modo, foi emitido uma ordem de prisão para Lapshin, cumprida em dezembro de 2016, durante a sua visita a Minsk, capital da Bielorrússia.

O Governo do Azerbaijão pede agora que o homem seja extraditado, de modo a ser julgado no país. No caso de ser condenado, o blogger pode ficar até 13 anos na cadeia.

© Gleb Garanich / Reuters

Críticas ao Azerbaijão

Nas publicações de Lapshin sobre a questão, o blogger declara-se neutro na disputa pelo território. Contudo, critica o Governo do Azerbaijão e a comunicação social.

"Ler os media dá a impressão de que as autoridades do Azerbaijão e os jornalistas acreditam que o seu povo é imbecil", escreveu. "O exército do Azerbaijão é incapaz de atacar Nagorno-Karabakh tanto por razões estratégicas, como políticas."

A polémica chegou à Rússia e a Israel, que exigem agora que Lapshin seja solto. Numa entrevista à imprensa local, o Presidente da Bielorrússia Aleksandr Lukashenko admitiu que poderiam soltar o blogger, mas isso seria "errado". "Ele foi detido por um mandato da Interpol e, segundo a lei, temos de o enviar para o Azerbaijão."

Twitter Alexander Lapshin

Detenção de Lapshin

Desde que foi detido, Lapshin teve direito apenas a uma visita de uma hora da mulher, em dezembro. Ekaterina - que entretanto assumiu a conta pessoal do blogger no Facebook - conta que não tem permissão para visitar o marido. "Já se passaram 15 dias desde que formalizei o pedido e não tenho a permissão."

A mulher usou ainda o Facebook para expressar a sua preocupação perante as condições da prisão, onde Lapshin está preso. "É muito frio. Estavam -29 graus ontem em Minsk", escreveu a mulher em janeiro.

Alexander Lapshin está à espera da decisão final do Supremo Tribunal da Bielorrússia, que deverá ser dada nos próximo dias. Se o seu recurso for rejeitado, é quase certo que o blogger seja extraditado para o Azerbaijão.

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03

    Mundo

    António Costa defendeu uma diplomacia pela paz. O primeiro-ministro português saiu em defesa da língua portuguesa e da presença do Brasil e da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No discurso na Assembleia Geral da ONU, Costa salientou também o compromisso do país em relação ao multilateralismo e às questões ambientais.

  • Em Fátima só há escolas públicas no pré-escolar e 1.º ciclo
    2:48
  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Furacão Maria volta a ganhar força

    Mundo

    Apesar de ter perdido intensidade, após a passagem por Porto Rico, onde deixou um rasto de destruição, Maria voltou a ganhar força, é agora um furacão de categoria 3. Está a afetar a zona norte de Punta Cana, na República Dominicana com ventos que atingem os 90 km/há e move-se para o noroeste.

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.