sicnot

Perfil

Mundo

CNN responde a críticas do Governo venezuelano

© Russell Boyce / Reuters

O canal televisivo CNN, em espanhol, defendeu a sua investigação, que deu origem a uma reportagem, sobre uma alegada venda de passaportes da Venezuela a cidadãos do Médio Oriente, em resposta às críticas do Governo venezuelano.

A Venezuela suspendeu esta quarta-feira as emissões da cadeia televisiva CNN em espanhol, depois de notícias sobre passaportes falsos, noticiou a Associated Press.

A reportagem, intitulada "Passaportes na Sombra", foi emitida na semana passada e foi hoje alvo das críticas do ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Delcy Rodríguez, que a qualificou como "uma absoluta mentira".

Num vídeo, a cadeia televisiva norte-americana defendeu a reportagem, sublinhando que a "CNN dedicou a 'Passaportes na Sombra' mais de um ano de investigação, durante o qual se analisaram milhares de documentos e realizaram-se entrevistas em quatro países".

"Apoiamos a nossa investigação, o nosso trabalho jornalístico, incluindo as fontes que usámos, e o trabalho dos jornalistas que participaram", afirmou o canal.

"A CNN quer deixar claro que uma coisa são as penalidades por tráfico de drogas das autoridades norte-americanas, outra, as denúncias da nossa investigação sobre irregularidades nos documentos venezuelanos".

O canal referia-se às sanções económicas impostas na segunda-feira passada pelo Governo de Washington ao vice-presidente da Venezuela, Tarek El Aissami, por "desempenhar um papel significativo no tráfico internacional de narcóticos".

"Não há nenhuma ligação entre as duas questões" afirma a CNN, reagindo aos comentários do ministro venezuelano.

Numa conferência de imprensa hoje em Caracas, Rodriguez afirmou: "a CNN em espanhol lançou uma operação de guerra psicológica, uma guerra de propaganda, uma operação contra o nosso país".

"Tudo o que vocês pretenderam vender nesse programa é absolutamente uma mentira", disse o chefe da diplomacia venezuelana, classificando a questão como "muito grave".

Ao suspender as atransmissões da CNN, a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) da Venezuela abriu quarta-feira um "processo administrativo punitivo" contra a CNN em espanhol, por "presumivelmente" atentar "contra a paz e a estabilidade democrática" do país.

"Tal procedimento refere-se ao conteúdo difundido pela citada cadeia internacional de notícias, de forma sistemática e reiterada no desenvolvimento na sua programação diária", segundo o comunicado divulgado pela Conatel.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.