sicnot

Perfil

Mundo

Jovem alegadamente violado pela polícia recebeu alta

DR

Théo, o jovem alegadamente violado por um agente policial e que se tornou um "símbolo" contra a violência policial em França, deixou esta quinta-feira o hospital nas periferia de Paris, onde esteve internado nas duas últimas semanas.

O jovem, de 22 anos, noticia a agência Efe, terá, presumivelmente, sido sodomizado por um agente com um bastão extensível.

Segundo a agência noticiosa espanhola, que cita o grupo de apoio a Théo, criado nas redes sociais, o jovem enviou uma mensagem de agradecimento a todos os que se mostraram preocupados com o seu estado de saúde.

O jovem, que se encontra a descansar em casa com uma baixa médica de pelo menos 60 dias, foi detido depois de ter sofrido uma violenta violação na sequência de uma operação policial no passado dia 2 em Aulnay-sous-Bois, nos arredores a nordeste Paris.

Théo, que trabalha a tempo parcial como animador social e tentava uma carreira como futebolista, tornou-se num símbolo contra a violência e a impunidade policiais denunciadas pelos habitantes dos subúrbios de Paris.

Apesar dos apelos à calma feitos por Théo, várias manifestações apoiando-o, terminaram em confrontos com a Polícia, com centenas de veículos danificados e vários caixotes do lixo queimados.

1 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

2 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

3 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

4 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

5 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

6 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

7 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

8 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

9 / 9

© Christian Hartmann / Reuters

Centenas de jovens foram presos nas últimas semanas em várias partes de França no decorrer de ações de protesto, denunciando também, o caso de Adama Traoré, um jovem negro que morreu em julho do ano passado, quando tentava escapar de um controlo policial.

O caso de Théo tornou-se num assunto de Estado, tendo o Presidente François Hollande visitado o jovem no hospital Robert-Ballanger em Aulnay-sous-Bois, na semana passada.

Na ocasião o chefe de Estado francês afirmou que é preciso dar tempo para que a justiça faça o seu trabalho e lembrou que os agentes policiais têm de respeitar os regulamentos e reprovou os danos materiais causados pelos tumultos.

Os quatro agentes policiais envolvidos são acusados de usar violência e um deles também por estupro.

O relatório policial reconheceu a prisão violenta, mas afirma que a violação com um bastão, que levou à hospitalização de Théo foi "acidental" e não voluntária, no âmbito de uma detenção "violenta e forçada".

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Docentes que ficaram indevidamente fora dos concursos ainda não foram colocados
    1:12

    País

    O Sindicato dos Professores do Norte diz que ainda há docentes à espera de serem colocados. Depois de terem contestado os erros nos processos concursais e de lhes ter sido dada razão, uma centena de docentes ainda não está a dar aulas. Para o sindicato, é inadmissível que os docentes paguem pelos erros do Ministério da Educação e exigem que se faça justiça.

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56