sicnot

Perfil

Mundo

"Mesmo morto, Mugabe será eleito", garante a mulher

© Philimon Bulawayo / Reuters

A primeira-dama do Zimbabué, Grace Mugabe, está convencida que o seu marido, Robert Mugabe, que vai fazer 93 anos na próxima semana, será reeleito chefe de Estado mesmo que morra antes das Presidenciais de 2018.

"Um dia, quando Deus decidir que Mugabe deve morrer, apresentaremos o seu cadáver como candidato", afirmou Grace aos milhares de apoiantes de Mugabe que a aclamavam num comício em Buhera, no Leste do Zimbabué.

Grace Mugabe acusou alguns responsáveis da União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica ZANU-PF (no poder) de conspirarem para tomar o poder ao seu marido.

O Presidente, que cumpre 93 anos na terça-feira, reduziu o número de compromissos públicos na mesma proporção em que a sua mulher, de 51 anos, se tornou cada vez mais visível politicamente.

Mugabe está no poder desde acabou o regime da minoria branca no Zimbabué, em 1980, após vários anos de guerra.

Está prevista para 25 de fevereiro uma grande festa para comemorar o seu aniversário.

Grace Mugabe avisou os antigos companheiros de Mugabe - ainda dos tempos da guerrilha contra o regime da minoria branca - que não poderão assumir o poder, porque também eles já são velhos.

"Os que estiveram com Mugabe em 1980 não têm o direito de lhe dizer que ele é velho. Se querem que ele se vá embora, então saiam juntos. Também vocês têm de sair. Então nós assumimos porque não estivemos lá em 1980", disse Grace Mugabe, apontando para si.

Grace Mugabe tem manifestado uma feroz lealdade para com o seu marido, afirmando que se for preciso lhe compra uma cadeira de rodas que empurrará o tempo que for necessário para que este se mantenha no poder.

Mugabe já declarou que quer viver até aos 100 e governar enquanto for vivo, queixando-se das várias fações do seu partido, a ZANU-PF, que lutam entre si para obter a melhor posição para uma corrida à sua sucessão.

com Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41