sicnot

Perfil

Mundo

Trabalho por turnos e levantar objetos pesados pode prejudicar fertilidade da mulher

© Heinz-Peter Bader / Reuters

Um novo estudo defende que levantar pesos regularmente e trabalhar por turnos pode fazer reduzir a fertilidade da mulher, particularmente, as que estão acima do seu peso ideal ou obesas.

A pesquisa, publicada esta segunda-feira na revista Occupational and Environmental Medicine, também descobriu que trabalhar horas anti-sociais (noite e madrugada) ou turnos rotativos, podem afetar a fertilidade feminina.

Embora a causa subjacente não seja conhecida e seja necessário mais pesquisa, a equipa da Escola de Saúde Pública de Harvard acredita que as mulheres, nos seus anos de reprodução, precisam de considerar estes fatores ao tentarem engravidar.

"O nosso estudo sugere que às mulheres que estão a planear uma gravidez devem estar cientes dos potenciais impactos negativos que o trabalho não-diurno e o levantamento de pesos podem ter na sua saúde reprodutiva", disse Lidia Mínguez-Alarcón, investigadora do Departamento de Saúde Ambiental e principal autora do estudo, em comunicado.

Estudos recentes mostraram potenciais ligações entre trabalhos fisicamente exigentes ou trabalho por turnos e fertilidade reduzida, mas este novo estudo explorou biomarcadores diretos da fertilidade no corpo, como o números de ovos e níveis hormonais, para sugerir possíveis mecanismos por trás das alterações.

O estudou analisou 470 mulheres em tratamento de fertilidade e comparou as evigências físicas e horários dos seus empregos com biomarcadores ligados a genes ou características no corpo, conhecidos por estarem ligados à capacidade de reproduzir, chamada fertilidade.

As conclusões do estudo apontam para quanto mais pesado o objeto, menor o número de folículos e ovos maduros. As mulheres que levantavam pesos tinham 8,8% menos ovos totais e 14,1% menos ovos maduros em comparação com as mulheres que nunca levantaram ou moveram objetos pesados ​​no trabalho.

"Essas exposições ocupacionais estão a afetar a produção e qualidade dos ovos", disse Audrey Gaskins, epidemiologista da Harvard T.H. Chan School. Esta redução nos óvulos maduros foi ainda maior nas mulheres que também tinham excesso de peso, obesas ou com mais de 37 anos.

Nas pessoas que trabalhavam noites ou turnos rotativos também se verificou uma redução no número de ovos maduros. Trabalhos de turno não são, biologicamente e segundo o estudo, uma boa forma de trabalhar. E, quem planeia uma gravidez, é aconsehado a deixar os pesos a cargo do colega ou parceiro.

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.