sicnot

Perfil

Mundo

Governo do Egito quer fomentar agricultura no deserto

© Handout . / Reuters

O Governo do Egito apresentou esta quarta-feira um projeto de cultivo de grandes extensões do deserto, em que colabora com a agência da Organização das Nações Unidas para a agricultura e alimentação (FAO, na sigla em inglês).

O projeto, que pretende estabelecer cultivos em 6.300 quilómetros quadrados de terras hoje desérticas, foi apresentado numa cerimónia com a presença do diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

Durante o discurso, Graziano da Silva disse que a FAO apoia "a visão" do Presidente egípcio, Abdelfatah al Sisi, que pretende que o país "recupere o papel de grande produtor agrícola".

O novo plano, chamado "Mega Projeto 1,5 Milhões de Fedans" (unidade de medida que equivale a 0,42 hectares), pretende precisamente moderar a elevada dependência do Egito das importações agrícolas, melhorando a segurança alimentar e reduzindo a sua vulnerabilidade às subidas de preços.

Os técnicos da FAO estão desde há um ano a apoiar o projeto, que começou com a identificação das terras com potencial uso agrícola, na sua maioria situadas a oeste do rio Nilo e longe de qualquer fonte renovável de água potável.

Na primeira fase, concluída em outubro, ofereceu-se um terço das terras a grandes investidores, se bem que o Governo já tenha assegurado que também vai dar oportunidades aos pequenos agricultores.

Os investidores vão ter de apresentar planos de viabilidade e estudos sobre os produtos agrícolas que vão cultivar, o que vai depender da qualidade da terra e da disponibilidade de água.

A maior parte das terras vai ser abastecida com depósitos da dita "água fóssil", que não são renováveis, o que levou o coordenador de projetos regional da FAO, Pasquale Steduto, a destacar a importância de "fazer mais com menos" água, para alargar a vida das plantações.

Os cultivos também vão precisar de soluções para o autoabastecimento de energia, uma vez que as zonas desérticas não estão ligadas à rede elétrica.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.