sicnot

Perfil

Mundo

Governo do Egito quer fomentar agricultura no deserto

© Handout . / Reuters

O Governo do Egito apresentou esta quarta-feira um projeto de cultivo de grandes extensões do deserto, em que colabora com a agência da Organização das Nações Unidas para a agricultura e alimentação (FAO, na sigla em inglês).

O projeto, que pretende estabelecer cultivos em 6.300 quilómetros quadrados de terras hoje desérticas, foi apresentado numa cerimónia com a presença do diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

Durante o discurso, Graziano da Silva disse que a FAO apoia "a visão" do Presidente egípcio, Abdelfatah al Sisi, que pretende que o país "recupere o papel de grande produtor agrícola".

O novo plano, chamado "Mega Projeto 1,5 Milhões de Fedans" (unidade de medida que equivale a 0,42 hectares), pretende precisamente moderar a elevada dependência do Egito das importações agrícolas, melhorando a segurança alimentar e reduzindo a sua vulnerabilidade às subidas de preços.

Os técnicos da FAO estão desde há um ano a apoiar o projeto, que começou com a identificação das terras com potencial uso agrícola, na sua maioria situadas a oeste do rio Nilo e longe de qualquer fonte renovável de água potável.

Na primeira fase, concluída em outubro, ofereceu-se um terço das terras a grandes investidores, se bem que o Governo já tenha assegurado que também vai dar oportunidades aos pequenos agricultores.

Os investidores vão ter de apresentar planos de viabilidade e estudos sobre os produtos agrícolas que vão cultivar, o que vai depender da qualidade da terra e da disponibilidade de água.

A maior parte das terras vai ser abastecida com depósitos da dita "água fóssil", que não são renováveis, o que levou o coordenador de projetos regional da FAO, Pasquale Steduto, a destacar a importância de "fazer mais com menos" água, para alargar a vida das plantações.

Os cultivos também vão precisar de soluções para o autoabastecimento de energia, uma vez que as zonas desérticas não estão ligadas à rede elétrica.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.