sicnot

Perfil

Mundo

Volkswagen admite culpa nos EUA por fraude nas emissões poluentes

O fabricante automóvel alemão Volkswagen (VW) declarou-se hoje culpado, num tribunal de Detroit, de conspirar para defraudar milhares de pessoas nos Estados Unidos com a manipulação das emissões poluentes nos veículos com motores 'diesel'.

A declaração de culpabilidade da VW faz parte do acordo que o grupo alemão alcançou em janeiro com as autoridades norte-americanas para resolver o caso que afetou quase 600 mil veículos com um dispositivo que manipula as emissões poluentes realmente produzidas.


Segundo o acordo, a empresa vai pagar 2.800 milhões de dólares (2.640 milhões de euros) como "multa penal por conspiração de longo prazo para vender aproximadamente 590 mil veículos a 'diesel' nos Estados Unidos usando um dispositivo que manipulava os testes de emissões ordenados pela Agência de Proteção Ambiental (EPA)" e autoridades da Califórnia.


A VW terá ainda de pagar 1.500 milhões de dólares (1.400 milhões de euros) por importação e venda nos Estados Unidos de veículos manipulados e por fraude aduaneira.


Após a VW ter admitido a culpabilidade, o juiz instrutor do caso, Sean Cox, anunciou que vai estudar o acordo alcançado entre as duas partes, de acordo com a agência Efe.


Cox, que fixou a data de 21 de abril para ditar formalmente a sentença, afirmou que os delitos pelos quais o fabricante alemão se declarou culpado são "muito graves".

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.