sicnot

Perfil

Mundo

Malásia dá duas a três semanas para família reclamar corpo do irmão de líder norte-coreano

Vincent Thian

O Governo malaio disse hoje que vai dar duas a três semanas à família do meio-irmão do líder da Coreia do Norte, que morreu em Kuala Lumpur, para reclamar o corpo, antes de decidir o que fazer com ele.

As autoridades da Malásia dizem que Kim Jong-nam morreu depois de duas mulheres colocarem um químico letal no rosto do norte-coreano, no aeroporto de Kuala Lumpur, a 13 de fevereiro.

No entanto, a Coreia do Norte -- que se suspeita estar por detrás do ataque -- rejeita estas conclusões.

A Coreia do Norte exigiu que o corpo lhe fosse entregue e opôs-se à autópsia realizada pela Malásia. Pyongyang recusou também reconhecer que Kim Jong-nam era a vítima e referiu-se a ele como Kim Chol, o nome que vinha no passaporte que transportava quando foi atacado no aeroporto.

Na sexta-feira, a polícia malaia confirmou que Kim Chol e Kim Jong-nam eram a mesma pessoa, mas recusou dizer como identificou Kim.

"Agora, com a identificação do corpo, dizem-nos que ele tinha uma mulher ou mulheres, e filhos. Por isso, esperamos que essas pessoas respondam e venham reclamar o corpo. Se isso não acontecer, vamos abordar [a questão] como Governo (...) e tentar perceber como vamos dar o próximo passo", disse hoje o ministro da Saúde da Malásia, Subramaniam Sathasivam.

"Após a identificação vamos dar duas a três semanas para resolver o problema", afirmou.

O corpo encontra-se na morgue de um hospital de Kuala Lumpur.

Desde a morte de Kim que as relações entre os dois países se deterioraram, com ambos a expulsarem embaixadores. Na passada terça-feira, a Coreia do Norte proibiu todos os malaios de deixarem o país até que uma "solução justa" seja alcançada. A Malásia decidiu em seguida proibir a saída dos norte-coreanos do seu território.

A Malásia nunca acusou diretamente a Coreia do Norte de estar por detrás do ataque, mas essa suspeita tem sido assumida por diversas vozes. Especialistas dizem que o químico VX, que foi usado para matar Kim, foi quase de certeza produzido num sofisticado laboratório de armas estatal, e acredita-se que a Coreia do Norte possui grandes quantidades de armas químicas.

Quatro dos sete suspeitos norte-coreanos que a Malásia procura terão fugido para o seu país no dia da morte de Kim. Segundo a polícia, os outros três suspeitos, incluindo um diplomata norte-coreano, estão escondidos na embaixada norte-coreana em Kuala Lumpur.

O ataque ficou registado por câmaras de videovigilância, que mostram duas mulheres a dirigirem-se a Kim e a aparentemente espalhar algo no seu rosto. O norte-coreano morreu 20 minutos depois, segundo as autoridades.

Duas mulheres -- uma indonésia e uma vietnamita -- foram acusadas de homicídio, mas disseram acreditar que estavam a participar numa partida.

Lusa«

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52