sicnot

Perfil

Mundo

Número de mortos em deslizamento de terras na Etiópia sobe para 62

Mulugeta Ayene

O número de mortos num deslizamento de terras num enorme depósito de lixo nos subúrbios da capital da Etiópia subiu para 62, informou esta segunda-feira a cadeia estatal de televisão Fana.

Não é claro o que terá provocado o colapso de sábado à noite, mas os habitantes dizem que o depósito de lixo no local recomeçou há alguns meses, após protestos num aterro sanitário mais recente.

A maioria das vítimas são mulheres e crianças.

Os trabalhos de busca e resgate continuam esta segunda-feira no local, onde centenas de pessoas vasculham o lixo diariamente e onde muitas famílias vivem devido aos baixos preços das rendas.

O deslizamento de terras soterrou várias casas improvisadas e edifícios de cimento e 54 pessoas receberam até agora assistência médica, disse o responsável pelos serviços clínicos do hospital para onde os feridos foram levados.

O aterro tem sido um depósito para o lixo da capital desde há mais de 50 anos, com uma interrupção nos últimos anos.

Outros desmoronamentos mais pequenos ocorreram no local nos últimos anos, mas apenas duas ou três pessoas morreram então, disseram residentes.

O presidente da Câmara de Adis Abeba prometeu recolocar as pessoas que vivem no aterro, onde as autoridades dizem que são anualmente depositadas quase 300 mil toneladas de lixo recolhido na capital.

Um responsável da autarquia, Dagmawit Moges, disse à Fana que 300 pessoas fora recolocadas desde o colapso.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.