sicnot

Perfil

Mundo

Francês abatido no aeroporto de Orly afirmou-se pronto a "matar e morrer por Alá"

Kamil Zihnioglu

O francês de 39 anos abatido este sábado pelas forças de segurança no aeroporto parisiense de Orly-Sud, após atacar uma patrulha militar, afirmou-se prestes a matar e a "morrer por Alá", declarou o procurador da República de Paris, François Molin.

Ziyed Bem Belgacem, já condenado por vários casos de violência, atacou a patrulha afirmando: "Pousem as vossas armas, eu estou aqui para morrer por Alá. De qualquer forma, vai haver mortos", relatou o procurador, numa conferência de imprensa.

O homem apontou a arma à cabeça da militar e usou-a para se proteger, tendo conseguido retirar-lhe a espingarda.

O procurador afirmou que o homem aparentemente pretenderia abater pessoas no movimento aeroporto parisiense.

Além do pai e de um irmão do atacante, também um primo seu foi detido.

O homem que acabou abatido já estava referenciado pela polícia e pelos serviços de informação franceses. Uma hora antes do caso no aeroporto feriu a tiro um agente numa operação policial a norte da capital.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras