sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha nega ter dívidas à NATO como acusou Trump 

© Jonathan Ernst / Reuters

A ministra da Defesa alemã negou hoje a acusação do presidente norte-americano de que a Alemanha deve "importantes montantes de dinheiro" à NATO e aos Estados Unidos.

"Não há nenhuma conta onde estejam registadas dívidas à NATO", afirmou Ursula Von der Leyen num comunicado, acrescentando que as contribuições para a NATO não devem ser o único critério para medir o esforço militar da Alemanha.


O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou no sábado que a Alemanha tem de pagar mais se quer beneficiar da proteção militar da NATO e dos Estados Unidos.


A Alemanha deve "importantes montantes" à NATO e aos Estados Unidos, que lhe "fornecem uma defesa muito poderosa e muito cara", escreveu Trump num Tweet, menos de 24 horas depois de se ter reunido pessoalmente pela primeira vez com a chanceler alemã, Angela Merkel, na Casa Branca.


Nesse encontro, Merkel reafirmou que a Alemanha pretende respeitar o acordo assumido pelos aliados em 2014 que prevê que os países membros da NATO aumentem as suas despesas militares para 2% do Produto Interno Bruto (PIB) num prazo de 10 anos.


A despesa militar atual da Alemanha é de 1,2% do PIB e poucos países da NATO atingem os 2%.


Mas, sublinhou a ministra, as despesas militares não se prendem exclusivamente com a NATO.


"Querer ligar os 2,0% que queremos atingir a meio da próxima década apenas à NATO é errado", disse.


As despesas destinam-se igualmente "às missões de paz no âmbito da ONU, às missões europeias e ao contributo para a luta contra [o grupo] Estado Islâmico", explicou.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.